22 maio 2020

Aéreas terão 100 novos voos e volta de destinos internacionais em junho.

A Latam, a Gol e Azul estão tentando voltar a ‘normalidade’

Aéreas terão 100 novos voos e volta de destinos internacionais em junho

© Shutterstock

POR FOLHAPRESS – ECONOMIA – PANDEMIA

RIBEIRÃO PRETO, SP (FOLHAPRESS) – Embora ainda muito distante do cenário pré-pandemia do novo coronavírus, as três grandes companhias aéreas do país vão operar em média 100 novos voos diários em junho.

Serão 15 novos voos diários na Latam, em média, no próximo mês, além de 32 na Gol e 53, na Azul.

Gol e Azul também retomarão as atividades no aeroporto de Congonhas, enquanto a Latam anunciou o retorno de voos internacionais.

Segundo a Latam, a previsão é de crescimento gradual de suas operações nos próximos dois meses. Em junho, serão em média 50 voos diários no país, ante os 35 voos de maio. Como comparação, antes da crise a companhia operava 750 voos diários no país.

A partir de São Paulo, serão operadas as rotas internacionais para Frankfurt, Londres, Madri, Miami e Santiago. Da capital chilena, partirão voos para Miami.

Dos 14.781 voos semanais previstos para o período, a malha aérea atende em maio apenas 1.254 voos semanais, ou 8,48% do total, segundo a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil).

No mercado internacional, a redução é de praticamente 100%, com os voos existentes tendo como objetivo a repatriação de brasileiros que estão no exterior e o transporte de cargas.

Em abril, a demanda por voos domésticos recuou 93,1%, com queda na oferta de 91,6%. Já nos voos internacionais, a redução na demanda foi de 96,1%, com oferta 91,1% menor que no mesmo mês de 2019.

A operação de todo o grupo Latam Airlines passará em junho dos atuais 5% de média de voos diários para 9% de sua capacidade pré-crise, com previsão de atingir 18% em julho. Também em julho, o grupo espera aumentar para 13 o total de destinos internacionais.

Na América do Sul, a Latam Airlines Chile atenderá 12 destinos em junho. A subsidiária no Equador trabalha para retomar voos em junho, enquanto na Colômbia e no Peru a previsão é que isso ocorra no mês seguinte.

Já a Gol anunciou que, além de reabrir bases, terá um total de 100 voos diários em junho, ante os 68 na chamada malha aérea essencial de maio, ou 47% mais.

Do total, 20 voos começarão em 10 de junho, quando serão reabertas bases em Chapecó (SC), Ilhéus e Porto Seguro (BA), Juazeiro do Norte (CE) e Petrolina (PE), todas com ligação com Guarulhos.

Além de retomar operações nesses locais, a Gol também voltará a operar no aeroporto de Congonhas, o que fará com que Guarulhos deixe de concentrar as atividades da aérea.

Em relação ao período pré-pandemia do novo coronavírus, porém, o total de voos previstos para junho representa queda de 87%, segundo a aérea.

A Azul, por sua vez, passará dos 115 em dias de pico neste mês para 168, no mês que vem. Em abril, foram 70 voos.

Outras cinco bases serão reabertas pela companhia, que voltará a operar a partir de 15 de junho nos aeroportos de Congonhas, Aracaju e Natal. Ribeirão Preto deverá ter voos no dia 10 e Rondonópolis (MT) retomará as operações dia 22.

Na capital, serão dois voos diários para Rio de Janeiro e Belo Horizonte, além de operações diárias para Recife e Cuiabá.

O governo de Mato Grosso divulgou nota em que o secretário do Desenvolvimento Econômico, César Miranda, diz que a retomada dos voos “sinaliza que a economia começa a voltar ao ritmo de forma lenta e gradual”.

Na última terça-feira (19), foram anunciadas novas medidas sanitárias para a aviação, como a necessidade de uso de máscaras durante todo o voo, regras para o serviço de bordo e distanciamento de ao menos dois metros entre as pessoas nos aeroportos.

Compartilhe esta notícia:
Reinhard Allan Santos