O número absoluto dos casos confirmados nas últimas 24 horas, também voltou a crescer: na sexta-feira, foram 7.921 e, neste sábado, 8.189. As novas infecções registradas neste sábado, no entanto, são inferiores às vistas há 48 horas, quando o número de casos diários chegou a 8.578.

As regiões mais afetadas são Madri, com 2.757 mortos, quase metade do total, e Catalunha, com 1.070 vítimas fatais. A taxa de mortalidade na capital é tamanha que a partir de segunda-feira a cidade habilitará um segundo necrotério em uma instalação pública que estava abandonada. O governo local já havia instalado um necrotério em uma pista de patinação de um centro comercial.

Com a grande quantidade de casos na Itália e na Espanha, que, juntos, somam mais de 72 mil casos, a Europa continua a ser o novo epicentro da pandemia de Covid-19 ao lado dos Estados Unidos, o país mais afetado pela doença no mundo, com quase 105 mil infectados.

Alemanha prorroga quarentena

A Alemanha, por sua vez, é um dos países europeus mais elogiados por sua resposta à Covid-19. Segundo um virologista que faz parte da força-tarefa de Berlim para combater o vírus, o país vem realizando cerca de 500 mil testes para a doença por semana, algo que explica a baixa mortalidade: no total, há mais de 53,3 mil casos confirmados no país, com 395 mortes.

Em seu podcast, a chanceler Angela Merkel, que testou negativo para o novo coronavírus, agradeceu os alemães por respeitarem as medidas de contenção, enquanto seu chefe de Gabinete afirmou que as medidas de quarentena deverão durar ao menos até o dia 20 de abril. Entre as medidas impostas pelo governo alemão, estão o fechamento de escolas, shoppings, playgrounds, lojas de esportes e a interrupção de parte da atividade industrial.

— Quando eu vejo hoje como quase todo mundo mudou completamente de comportamento, como a vasta maioria de vocês vêm evitando contatos desnecessários, precisamente porque é um risco de infecção, então eu quero simplesmente dizer: obrigada, obrigada, obrigada, do fundo do meu coração — disse Merkel, que ainda está de quarentena em casa. — Eu devo pedir para que vocês sejam pacientes. Infelizmente, os números diários de infecções não nos dão motivo para relaxar.