“Eu não ia  voltar ao tema, mas o Pr repetiu opiniões desastradas sobre a pandemia. O momento é grave, não cabe politizar, mas opor-se aos infectologistas  passa dos limites. Se não calar estará preparando o fim. E é melhor o dele que de todo o povo. Melhor é que se emende e cale”, escreveu FH.

No pronunciamento criticado por FH, Bolsonaro defendeu o fim das medidas de isolamento social tomadas por prefeitos e governadores para conter o avaço do novo coronavírus, que já deixou 46 mortos no país. Em seu terceiro discurso em menos de 20 dias para tratar da pandemia, o presidente pediu a reabertura do comércio e das escolas e o fim do “confinamento em massa”.

Além do antecessor tucano de Bolsonaro, também o criticaram os presidentes da Câmara e do Senado, bem como líderes partidários e parlamentares das duas casas.

O deputado Rodrigo Maia, também utilizando o Twitter, afirmou que pede sensatez desde o início do crime e que “o pronunciamento do presidente foi equivocado ao atacar a imprensa, os governadores e especialistas em saúde pública”.

O senador Davi Alcolumbre (DEM-AP) emitiu uma nota na qual classificou como “grave” a fala presidencial e disse que o Brasil precisa de uma liderança “séria, responsável e comprometida com a vida e a saúde da população”.

Também houve críticas de governadores — como Wilson Witzel (PSC-RJ), Renato Casagrande (PSB-ES) e Flávio Dino (PCdoB) — e até do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes. O magistrado disse que “as agruras da crise, por mais árduas que sejam, não sustentam o luxo da insensatez”.

Os filhos de Bolsonaro e seus aliados políticos saíram em defesa dele. Também por meio do Twitter, o senador Flávio Bolsonaro (Sem partido-RJ) e o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) fizeram coro ao pai pedindo a retomada da rotina dos brasileiros.

PANELAÇOS CONTRA O GOVERNO ACONTECEM DURANTE PRONUNCIAMENTO DE BOLSONARO NA TV

Manifestantes participam de panelaço durante pronunciamento do presidente Jair Bolonaro na TV. Em seu terceiro discurso em rede nacional sobre o novo coronavírus, Bolsonaro pediu a reabertura de comércio e escolas e fim do 'confinamento' Foto: PILAR OLIVARES / REUTERS

Manifestantes participam de panelaço durante pronunciamento do presidente Jair Bolonaro na TV. Em seu terceiro discurso em rede nacional sobre o novo coronavírus, Bolsonaro pediu a reabertura de comércio e escolas e fim do ‘confinamento’ Foto: PILAR OLIVARES / REUTERS