23 jan 2020

Mourão admite aceitar dinheiro de países ricos para a preservação da Amazônia.

No ano passado, Bolsonaro rejeitou ajuda do G7

Carolina Brígido

O vice-presidente, Hamilton Mourão Foto: Daniel Marenco/Agência O Globo

O vice-presidente, Hamilton Mourão Foto: Daniel Marenco/Agência O Globo

BRASÍLIA – O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, admitiu nesta quinta-feira pedir dinheiro para países ricos para financiar projetos para a proteção da Amazônia. Em agosto, o governo rejeitou oferta de US$ 20 milhões dos países do G7 (Estados Unidos, França, Reino Unido, Alemanha, Japão, Itália e Canadá) para ajudar no combate às queimadas na Amazônia.

— Rejeitou, mas depois eu vou lá com a cara de pau e peço — disse Mourão em entrevista à GloboNews, completando: — Quando você vai receber o dinheiro do exterior, tem limite. Seu livre arbítrio tem que ser respeitado.Em agosto do ano passado, o Ministério do Meio Ambiente da Alemanha decidiu suspender o repasse de R$ 155 milhões para a preservação da floresta e da biodiversidade em razão do aumento dos índices de desmatamento na região. A Noruega também bloqueou repasse de R$ 132,6 milhões para o Fundo Amazônia. Na ocasião, o presidente Jair Bolsonaro afirmou, em entrevista à imprensa, que a Noruega deveria usar o dinheiro para reflorestar a Alemanha.

Bolsonaro anunciou na terça-feira a criação da Força Nacional Ambiental, que terá como objetivo proteger a Floresta Amazônica. De acordo com Bolsonaro, o órgão terá funcionamento semelhante ao da Força Nacional de Segurança Pública, composta por policiais militares e civis e por bombeiros, entre outros profissionais de segurança.

Bolsonaro também anunciou a criação do Conselho da Amazônia, que será comandado por Hamilton Mourão. Ele deverá coordenar ações de vários ministérios para a “proteção, defesa e desenvolvimento sustentável da Amazônia”. Mourão irá utilizar a estrutura da própria vice-presidência.

À GloboNews, Mourão disse que o novo cargo que ocupará não vai criar qualquer mal estar com o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles:

— O espaço do Ricardo está muito bem preservado.

Compartilhe esta notícia:
Reinhard Allan Santos