7 dez 2019

Evo Morales viaja a Cuba e planeja se instalar na Argentina.

Asilado no México, ex-presidente da Bolívia pretende se transferir para país após posse de Fernández para ter contato mais direto com líderes de seu partido

El País e agências internacionais

O ex-presidente da Bolívia, Evo Morales, em uma entrevista coletiva na Cidade do México Foto: LUIS CORTES / REUTERS

O ex-presidente da Bolívia, Evo Morales, em uma entrevista coletiva na Cidade do México Foto: LUIS CORTES / REUTERS

CIDADE DO MÉXICO — Evo Morales estuda sua saída definitiva do México, onde vive como exilado há quase um mês, depois de renunciar à Presidência da Bolívia por pressões populares, da polícia e dos militares. Morales partiu nesta sexta-feira do país em direção a Cuba e pensa em se instalar depois na Argentina, uma vez que Alberto Fernández tome posse na próxima terça, afirmou o El País.

O ex-presidente partiu do México em um voo comercial. As fontes consultadas asseguram que o avião não decolou da capital, mas a Chancelaria mexicana confirmou a viagem: “Segundo nos informou, trata-se de uma viagem temporária”, assegurou o porta-voz do Ministério de Relações Exteriores, Roberto Velasco, através do Twitter.

O governo mexicano conferiu tanto a Morales, que governou a Bolívia por quase 14 anos, como ao seu vice, Álvaro García Linera, e à ex-ministra da Saúde Gabriela Montaño — que o acompanha na viagem a Cuba — a condição de asilado, o que permite entrar e sair do país.

O ex-presidente da Bolívia Evo Morales com a bandeira mexicana a bordo do avião do governo do México Foto: Social Media / VIA REUTERS

O ex-presidente da Bolívia Evo Morales com a bandeira mexicana a bordo do avião do governo do México Foto: Social Media / VIA REUTERS

A intenção de Morales, segundo as mesmas fontes, é estabelecer-se na Argentina para estar mais perto de seu país e se reunir com os líderes de seu partido para finalizar os detalhes da candidatura do Movimento ao Socialismo (MAS) nas próximas eleições. Quando ele partiria para a Argentina ainda é um mistério. As autoridades mexicanas recomendaram que o ex-mandatario boliviano viajasse sempre do México, em um voo comercial.

Um ex-assessor de seu governo, no entanto, disse à Reuters que o ex-presidente viajou a Cuba para uma consulta com a equipe médica cubana que o atendeu na Bolívia. Em 2017, Morales se tratou em Havana de um nódulo na garganta. Antes, já havia operado desvio de septo com médicos cubanos, assim como o joelho.

Segundo El País, Morales queria assistir à posse de Alberto Fernández, na próxima terça-feira, mas a equipe do presidente eleito o aconselhou esperar, porque no momento não poderiam lhe dar todas as garantias de asilo e segurança — uma decisão que ainda depende do presidente Mauricio Macri. Nesse caso, Morales esperaria até a próxima semana ou a seguinte, de acordo com as fontes consultadas. No entanto, não está descartado que ele viaje diretamente de Havana. O ex-presidente cubano Raúl Castro foi convidado para a posse de Fernández.

O ex-presidente da Bolívia, Evo Morales, em sua cama improvisada no chão, em sua primeira noite depois de deixar a Presidência Foto: Reprodução

O ex-presidente da Bolívia, Evo Morales, em sua cama improvisada no chão, em sua primeira noite depois de deixar a Presidência Foto: Reprodução

Um dos aspectos que mais preocupam o entorno do presidente, segundo fontes oficiais mexicanas, é a segurança, uma vez que acreditam que no México ele está mais protegido. Desde que chegou ao país há quase um mês, Morales passou a maior parte do tempo em uma base militar e, na última semana, se mudou para uma casa particular.

Compartilhe esta notícia:
Reinhard Allan Santos