26 nov 2019

IATI promove mutirão de limpeza do óleo com Biogel na Praia de Itapuama.

Com atestado de ausência de compostos tóxicos à natureza, do laboratorio Ecolyzer, grupo de pesquisadores associados ao instituto realiza a limpeza do óleo aderido ao paredão rochoso da praia do Litoral Sul

Resultado de imagem para O Instituto Avançado de Tecnologia (IATI) e o biogel"

Recife, 25 de novembro de 2019 – O Instituto Avançado de Tecnologia (IATI) realiza nesta quarta-feira (27), às 8h, um mutirão de limpeza das manchas de óleo que ainda persistem na praia de Itapuama, Litoral Sul de Pernambuco. Após um período de campanha de doações, iniciada com o propósito de levantar fundos para a produção em larga escala do Biogel – composto que consegue remover até 90% do óleo das superfícies de areia, rochas e até de animais atingidos, o instituto vai reunir um grupo de 23 pesquisadores associados para realizar o trabalho de limpeza manual do paredão rochoso da praia. Na operação, serão utilizados 80 kg do Biogel para dissolver e limpar a maior área possível atingida pelo óleo.

Apesar da diminuição da chegada do volume de óleo no litoral pernambucano, as manchas ainda estão presentes nas praias e comprometem a natureza, como explica a Dra. Leonie Sarubbo, pesquisadora do IATI à frente da pesquisa do Biogel. “Boa parte do óleo que nos impactava visualmente já foi levado pela maré, mas há ainda uma grande área comprometida. O óleo sofreu intempéries da natureza e está cada vez mais sólido e impregnado nas pedras. Nosso trabalho solidário será mais uma vez em prol do meio ambiente”, explica a Dr. Leonie Sarubbo.

A limpeza da Praia de Itapuama será realizada com o valor arrecadado por meio de doações individuais (pessoa física) e com apoio do IATI. No total, o instituto arrecadou pouco mais de R$ 700,00 na campanha. O valor, bastante inferior à meta de R$ 150 mil, comprometeu a escala produtiva do Biogel, mas não enfraqueceu o sentimento que motivou os pesquisadores pernambucanos a combater um dos maiores desastres ambientais do país.

Agora, com atestado de ausência de compostos tóxicos à natureza, do laboratorio Ecolyzer, de São Paulo, e os avanços na segunda etapa da pesquisa do Biogel, realizada pelo professor Dr. Múcio Banja, também pesquisador do IATI – assegurando também que não há impactos negativos na utilização do composto nas áreas de limpeza, a iniciativa pioneira no Brasil cumpre seu papel social no ciclo do vazamento de óleo.

“Fechamos o ciclo de responsabilidade social que nos motivou a ir a campo testar a eficiência da fórmula desenvolvida em laboratório diante do desastre ambiental. O vazamento de óleo encontrou em Pernambuco a barreira da Biotecnologia. Entramos em laboratório e conseguimos adaptar uma nova fórmula a partir de outras desenvolvidas ao longo de 20 anos para combater vazamentos de petroderivados. Demos um passo significativo que vai além do campo das pesquisas. Diz muito mais sobre a sensibilidade da sociedade que deu as mãos nesse momento difícil, doando tempo e mão de obra para salvar nosso litoral”, pondera Sarubbo.

BIOGEL – A fórmula à base de compostos naturais e de origem vegetal do Biogel age quebrando a cadeia de hidrocarbonetos do óleo, tornando o componente viscoso em um material fluido e disponível para biodegradação. O composto  consegue otimizar o trabalho de escovação manual das áreas atingidas – com uma apresentação que não escorre e não se espalha – facilitando o trabalho das equipes voluntárias que estão atuando na limpeza do litoral de Pernambuco.

A ideia do Biogel tem como base uma pesquisa desenvolvida há mais de 20 anos pela professora da Universidade Católica de Pernambuco e pesquisadora do Instituto Avançado de Tecnologia e Inovação (IATI), Dra. Leonie Sarubbo. Em 2016, um projeto em parceria com a Centrais Elétricas da Paraíba (EPASA) deu origem a um biodetergente capaz de remover óleo pesado de ambientes industriais, auxiliando na limpeza de maquinário, equipamentos e piso. Com isso, a expertise do IATI na limpeza de petroderivados foi o caminho encontrado pela ciência para combater o desastre ambiental.

IATI – Com sede em Recife, o corpo técnico do IATI é formado por experientes, qualificados e premiados pesquisadores da região, com larga atuação em Projetos de Pesquisa & Desenvolvimento (P&D) nas mais diversas áreas, em especial para o setor elétrico nacional. Os técnicos, graduados, mestres e doutores que integram a equipe de pesquisadores do IATI compõem um corpo técnico multidisciplinar, com atuação nas áreas de engenharia elétrica, engenharia química, engenharia ambiental, engenharia mecânica, engenharia de produção, biotecnologia, nanotecnologia e ciências biológicas. O avanço tecnológico e a efetiva implementação das soluções desenvolvidas são objetivos permanentes nos projetos desenvolvidos pelo IATI, fazendo com que os produtos desenvolvidos avancem em toda a cadeia de inovação, da ideia ao mercado, dentro do espaço de tempo requerido pela indústria.

Compartilhe esta notícia:
Reinhard Allan Santos