10 set 2019

Localização estratégica de ponto de venda é importante para o sucesso da rede.

Estudo de PDV podem evitar troca de pontos, canibalização e fechamento de unidades

Crédito da imagem: Paulo Roger Bistrô

O faturamento do setor de franquias nacional cresceu 6,4% no primeiro semestre de 2019. A receita subiu de de R$ 79,496 bilhões para R$ 84,586 bilhões. Grande parte do sucesso dessas redes está diretamente ligado à escolha assertiva do ponto de venda. Encontrar o local ideal não é tarefa nada fácil. Muitas pesquisas são feitas pelas franqueadoras para que a capilarização seja bem sucedida, cruzando informações, tanto geográficas quanto do perfil populacional da região almejada.

Na escolha do PDV, fatores como o acesso físico, o tráfego de pedestres, número de concorrentes próximos, facilidade de estacionamento, precisam ser levados em consideração, afinal o ponto de venda deve, prioritariamente, ser escolhido sempre pensando no público-alvo e nunca esquecer que o mesmo tem caráter de vida longa.  “É importante fazer estudos e pesquisas de acordo com o perfil do consumidor, para que a decisão do ponto seja a mais acertada possível”, explica Marcos Nunes, CEO da Let’s Eat.

Os PDV’s escolhidos estrategicamente para cada uma das 10 unidades da rede de restaurante de casual dining foram, com certeza, responsáveis pelo faturamento de R$ 17 milhões, só no ano passado. Nunes explica que para a escolha do ponto comercial ideal, a franqueadora utiliza algumas técnicas e pesquisas que ajudam a definir a melhor localização para implantar as unidades. “A densidade demográfica é um dos critérios mais importantes a ser levado em consideração, pois através dela pode ser estudado o potencial de atrair o cliente para o seu raio de ação”, comenta Nunes. Ele ainda explica que para isso, a ferramenta de Geomarketing, privilegia a localização do seu público, seus concorrentes e a cultura gastronômica do local.

O empresário também explica que, além desses fatores externos, é importante observar o fluxo de pessoas que passam em frente ao local estudado, a visibilidade do local, os estabelecimentos no entorno, o acesso a ruas e avenidas, vagas de estacionamento no local ou proximidades, evitando assim, problemas como a ‘canibalização’. “Nosso objetivo é colher o máximo de informações e fazer o cruzamento, adaptando-as ao nosso foco e realidade”, explica o executivo. “Além disso, acompanhamos os resultados dos pontos em funcionamento confrontando nossos estudos com os dados dos restaurantes já em operação. Estar bem localizado aumenta substancialmente o sucesso de todo negócio”, finaliza Nunes.

Sobre a Let’s Eat

A paixão do empresário Marcos Nunes por gastronomia e culinária desde criança, foi uma das motivações para investir em seu próprio negócio e criar a Let’s Eat. A rede se firmou como um local para ‘casual dining’, inspirada no conceito americano no qual se tem a oportunidade de degustar tranquilamente, um menu diversificado e elaborado. O lugar é frequentado por pessoas que procuram por um ambiente acolhedor e uma experiência gastronômica, já que cardápio possui mais de 70 deliciosas opções. Atualmente a rede conta com 10 unidades, operando em cidades como Americana, Campinas, Indaiatuba, Itu, Jundiaí, Limeira, Mogi Guaçu, Piracicaba, Sorocaba e Valinhos, todas no interior de São Paulo e previsão de abertura de unidades no Guarujá e Rio Claro, em São Paulo e Poços de Caldas/MG.

Compartilhe esta notícia:
Reinhard Allan Santos