3 out 2016

A tarefa de João Paulo para o segundo turno.

geraldo-joao-paulo-748x410

A tarefa de João Paulo, PT, será muito mais difícil neste segundo turno do que foi no primeiro, onde ele ganhou pelo carisma pessoal e vontade de voltar a comandar o Recife. Além dos seus 207.529, terá que conquistar todos os votos dos adversários para ficar acima dos 430,997 votos que Geraldo Júlio conquistou.

E, por muito pouco, pouco mesmo não saiu das urnas reeleito prefeito. Vamos arredondar em 1% dos votos válidos.

Para Geraldo, a tarefa é mais fácil. Basta ele conquistar os percentuais dos votos para não precisar de mais nenhum apoio dos concorrentes: Daniel Coelho ( PSDB ), Priscilla Krause, ( DEM ), Carlos Augusto, ( PV ), Edilson Silva, ( PSOL). Tá bom! Será novamente Prefeito.

Mas, como ninguém recusa voto, os dois candidatos vão à caça. E a guerra já começou ontem.

João Paulo é guerreiro e vai à luta. Terá que procurar pessoas com quem tem voto e nunca fez coligação em disputas eleitorais. Creio até que JP deveria pedir uns conselhos a Antônio Campos, do PSB de Olinda que sem apoio nenhum do seu partido chegou ao segundo turno em Olinda na marra e na estratégia, que ele não diz a qualquer um, foi para o segundo turno com 28,17%, na liderança. Um monstro. O seu adversário será o professor Lupércio que obteve 23,38%. Quem sabe, João Paulo.

Antônio Campos derrotou dois pesos pesados, a ex-prefeita Luciana Santos, PC do B, Isabel Urquiza, PSDB e Ricardo do PMDB.

Os votos a mais que Tonca ganhou em Olinda foram os que faltaram aqui no Recife. Lá, na Marim dos Caetés, não teve nenhum medo de citar que era irmão do maior governador de Pernambuco dos tempos modernos: Eduardo Campos. Aqui, o Comando Universal do PSB ignorou o nome de EC e levou lapada, em Jaboatão dos Guararapes com Heraldo Selva e em Caruaru com Jorge Gomes.

Fiquem com Deus e sejam mais humildes.

É isso

 

Compartilhe esta notícia:
Henrique Barbosa