7 jun 2016

Juiz Moro deve expedir mandado de prisão contra Lula.

untitledml
A operação que está investigando a corrupção e a quebradeira na Petrobras deve terminar no final deste ano com a conclusão de todas as investigações e os consequentes pedidos de prisão para todos aqueles que um dia imaginaram estarem acima do bem e do mal. Ledo engano. O cidadão comum, Luis Inácio Lula da Silva, por tudo o que produziu de ruim para o País e para a maior  Estatal do Brasil,  está no epicentro da Operação Lava Jato que todos pensavam ser o José Dirceu, homem de inteira confiança do Lula e 2º na hierarquia de todas as ações ocorridas no Palácio do Planalto.
Então com a prisão do subcomandante das tropas do PT só falta chegar ao comandante, como tem afirmado o juiz Sérgio Moro. Assim, espera-se que nos próximos dois meses o mandado de prisão do ex-presidente da República e hoje cidadão comum, seja expedido. No pacote dos mandados, também, estarão incluídos os nomes de Palocci e da ex-presidente Dilma. Concluída a tarefa de desvendar o emaranhado da corrupção e desvio de dinheiro público na Petrobras, o juiz federal Sérgio Moro cumpre brilhantemente a sua tarefa e volta a trabalhar como juiz federal.
A intenção do magistrado é a de terminar a operação Lava Jato, que é o núcleo principal das suas investigações. Posteriormente deverá ausentar-se do Brasil e fazer curso de especialização no exterior. A partir dai, os filhotes da LavaJato já estarão funcionando com outros juízes federais para investigar BNDES, Teles, Dnit e o sistema Eletrobrás e demais sistemas onde há indícios de corrupção e lavagem de dinheiro.
Numa votação recente feita pela revista  americana “Time” que escolhe personalidades no Planeta,  o juiz federal Sérgio Moro foi incluído na lista das 100 pessoas mais influentes. Dividida em cinco categorias: pioneiros, titãs, artistas, líderes e ícones, Moro foi escolhido na categoria de líderes. Também fazem parte da lista o fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, o Papa Francisco, o atleta Usain Bolt e a cantora Adele.
É isso!
Compartilhe esta notícia:
Henrique Barbosa