30 maio 2016

Governo faz perfumarias.

imagesEXAYHPK5
Foto:Blog do mochila

Perfumaria. Esse termo começou a ser utilizado pelos cinéfilos – apaixonados por cinema – para se referir a um filme de pouca expressão, fraco de bilheteria, que não tinha agradado ao público. O termo ganhou outros contornos e hoje já muito usado em ações que produzirão poucos resultados.
Pois é, data vênia governador Paulo Câmara. Perfumarias são as atitudes que o senhor vem tomando à frente de Pernambuco nos últimos dias. Começou quando expulsou o DEM e o PSDB do seu secretariado momentos antes da presidente Dilma ser afastada do poder no processo de Impeachment que corre no Senado.
Dois dos maiores ministérios do presidente em exercício Michel Temer estão nas mãos do DEM, com Mendonça Filho na Educação e o PSDB, com Bruno Araújo, nas Cidades. Isso sem contar com o PPS que nunca foi um aliado de primeira linha e que hoje ocupa a Defesa com o ministro Raul Jungmann, responsável pela liberação ou não de importante área do aeroporto Internacional dos Guararapes para abrigar o HUB da Lattam.
A impressão que se tem é que depois da triste ausência do governador Eduardo Campos, o PSB desaprendeu a fazer política e sai por aí atirando a esmo e sem um alvo direcionado para melhorar a situação dos pernambucanos.
No último dia 27 fez uma reforma pífia. Sem entrar no mérito do currículo dos secretários, que são ótimos, tirar o secretário da Fazenda Márcio Stefanni para coordenar um Comitê Gestor do Pacto Pela Vida parece ser perfumaria. Certo que o governador deseja mudanças no sistema prisional e na diminuição de homicídios que não cai nem por milagre.
Todos os meses fica por ali na casa dos 300 ocasionados por arma branca ou de fogo. E a maioria dos pernambucanos que morrem prematuramente não chega aos 30 anos. Está morrendo até crianças de dois anos como ocorreu no primeiro trimestre de maio. Absurdo!
Será que não funcionaria um pouco de política, que é a arte do diálogo, com os partidos aliados antes que acabem, não seria uma forma de dialogar e procurar soluções para os problemas mais emergentes?
Será que um trabalho maior com a inteligência policial aliada as novas tecnologias existentes no mundo da informática não dariam resultados excelentes, pois todos os policiais sabem onde existem os focos de crime e comércio de drogas e entorpecentes?

Compartilhe esta notícia:
Henrique Barbosa