10 maio 2016

Maranhão surta outra vez e revoga seu ato de anular sessões plenárias.

161316

Era só o que faltava acontecer.  Nos primeiros minutos desta terça-feira, 10, o presidente interino da Câmara dos Deputados, Waldir Maranhão, PP-MA, revogou a sua decisão em cancelar as sessões plenárias dos dia 15, 16 e 17 de abril que autorizou a abertura do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff. Um irresponsável que causou prejuízos irrecuperáveis a um País que está quebrado. O mercado ficou perplexo e a imprensa internacional nos ironizou em suas publicações e a credibilidade do Brasil mais uma vez abalada politicamente.

E agora, seu Maranhão? o senhor não se envergonha da trapalhada em que colocou o Brasil neste Mundo globalizado. Acredito que os seus pares vão tirá-lo da presidência da Câmara, uma vez que já não dispõe de condições mínimas de comandar o Congresso. Se continuar, novas decisões monocráticos serão tomadas e, não há nenhuma garantia de que lá na frente ele volte a revogar seus atos.

De uma canetada só alegrou o Governo, desrespeitou o resultado da votação do processo de impeachment com 367 parlamentares votando a favor, desrespeitou igualmente o Senado que já estava andando com o processo e não poderia recuar, irritou seu ex-aliado Eduardo Cunha e por fim vai perder a confiança do seu atual chefe-mor, Flavio Dino, governador do Maranhão que as más línguas afirmam ter redigido o texto.

Segundo a Folha de são Paulo, Maranhão tinha relatado a interlocutores o receio de, por causa da decisão, ser expulso do PP e, consequentemente, perder seu mandato e o cargo na Mesa Diretora. Renan Calheiros também havia decidido mais cedo ignorar o cancelamento da sessão e dar sequência à tramitação do pedido de impeachment. O presidente do Senado já foi comunicado da decisão do deputado e agora deve estar rindo à toa quando disse que ninguém pode brincar com a democracia.

A decisão é um revés para Dilma, que pretendia usar a decisão de Maranhão para pedir ao Supremo que paralisasse o rito do impeachment.

É isso!

Compartilhe esta notícia:
Henrique Barbosa