28 abr 2016

O Brasil precisa respirar com Temer.

untitledcanaltech
foto: canaltech

 

Se os 88.320.240 eleitores que não votaram na presidente Dilma Roussef em 2014 – incluindo ai os votos em Aécio Neves, os brancos, nulos e as abstenções – tiveram a paciência de suportar a quebradeira, o desemprego e a omissão deste governo de plantão, por 484 dias,  não é possível que o Partidos dos Trabalhadores  e seus aliados não deem uma pausa e deixem o vice-presidente Michel Temer, PMDB, tentar mudar o Brasil em 180 dias, numa tarefa quase impossível de recuperação da vida brasileira?
Será que só o PT, Lula, Dilma e a sua turma possam governar o País?
Chego a dizer que a partir do dia 12 de maio o Brasil será outro com a ascensão de Michel Temer ao poder. O Senado aprova o afastamento da presidente no dia anterior, 11 de maio, para um descanso, uma reflexão e, se possível uma mea culpa por tudo de ruim que fez ao País. O Lula deve descansar naquele sítio de Itaipava que não é seu e que os demais petistas pensem numa renovação séria e honesta, já que quando vocês foram eleitos há 16 anos prometerem honestidade total  para com o Brasil. Deu no que deu!

imagesHT5HPFKW
Imagem: velhocomandante

O Brasil precisa se dar uma oportunidade de mudança. Ouso a dizer que Michel Temer fara um governo de reconstrução. É um hábil articulador, é da política, gosta de conversar com os aliados e está formando uma excelente equipe para ajudá-lo a governar o atual desgoverno.
Vamos ficar só num exemplo: Henrique Meireles, próximo ministro da Fazenda. Teve uma participação extraordinária no Governo Lula, ganhou a confiança do ex-presidente e foi convocado por Temer. Só a Dilma Rousseff não gosta dele. – chegou inclusive a discordar de Lula quando o indicou para o Governo recém-eleito em 2014. Como disse um petista de alto escalão a este blogueiro que, ” infelizmente a presidente Dilma não é da política. É do chicote”.
E, não é pelo chicote que a presidente está saindo. É pelo voto dos representantes do Povo num processo Constitucional e democrático.
– O povo coloca, o povo tira.
É isso!

Compartilhe esta notícia:
Henrique Barbosa