12 ago 2017

Servidor corrompido é a infiltração do crime no Estado’, diz diretor da PF.

Delegado Leandro Daiello revela que mais de 600 operações estão em curso e que ‘o preço real da corrupção é o Estado mais caro’

Leandro Daiello. FOTO: LUIZ VASSALLO/ESTADÃO

 

O diretor-geral da Polícia Federal, delegado Leandro Daiello, disse nesta sexta-feira, 11, que ‘o preço real da corrupção é o Estado mais caro’.

“Afeta a qualidade de serviço”, disse Daiello, em palestra na Escola de Direito da FMU, em São Paulo.
O delegado falou sobre o papel da instituição que dirige e a Lava Jato.

“Quando um servidor é corrompido, é a infiltração do crime no estado”, alertou o delegado, no comando da PF há seis anos e meio.

Segundo ele, mais de 600 operações da PF estão em andamento hoje.

Sobre a Lava Jato e o desmantelamento do cartel de propinas que se instalou na Petrobrás entre 2004 e 2014, o diretor declarou. “Não dizemos que a Petrobras é corrupta. Pessoas que estavam lá fizeram isso”, anotou, em referência a ex-diretores que acabaram condenados por corrupção, lavagem de dinheiro e associação criminosa.

Leandro Daiello relatou que na Lava Jato, inicialmente, a Polícia Federal mirou os doleiros por meio de buscas e apreensões autorizadas pela Justiça para identificar os clientes dos operadores do mercado paralelo do câmbio. “E chegamos à Petrobrás.”

O diretor lembrou que a Lava Jato que chegou à estatal petrolífera não tinha esse nome, era Operação Bidone. “Mas a mídia insistiu tanto que ficou Lava Jato.”

Compartilhe esta notícia:
Henrique Barbosa