11 out 2017

Série de protestos no Recife termina em confronto entre manifestantes e PM.

Manifestantes se reuniram na frente da sede do governo, nesta quinta-feira (11), após fazer bloqueios simultâneos em vias da capital. Grupo lançou pedras contra a Polícia Militar, que revidou com bombas de efeito moral.

Por G1 PE

Confronto entre PMs e manifestantes no Recife (Foto: Reprodução/TV Globo)

Confronto entre PMs e manifestantes no Recife (Foto: Reprodução/TV Globo)

A série de protestos realizada por centrais sindicais e movimentos sociais terminou, nesta quinta-feira (11), em conflito na frente do Palácio do Campo das Princesas, sede do Governo de Pernambuco, área central do Recife. Os manifestantes se reuniram no local após fazer bloqueios simultâneos em importantes vias da capital pernambucana. Durante o tumulto, o grupo lançou pedras contra a Polícia Militar, que revidou com bombas de efeito moral. Há relato de feridos, mas não houve confirmação.

As interdições desta manhã aconteceram em defesa de programas de moradia popular e contra o governo do presidente Michel Temer. Os bloqueios causaram diversos pontos de engarrafamento pela cidade.

Parte do grupo que estava no Palácio do Campo das Princesas caminhou da Praça do Derby, na área central, até o local, passando pela Avenida Conde da Boa Vista. Os manifestantes fizeram uma parada na Câmara dos Vereadores do Recife, na mesma região, antes de seguir para a sede do governo. Eles quebraram parte da grade que cerca a câmara e invadiram o imóvel.

Houve correria durante o confronto. Após o episódio, os manifestantes se concentraram na Avenida Guararapes. Procurada pelo G1, a PM alegou que um policial militar se feriu, mas não informou o que motivou a confusão. O homem foi encaminhado ao hospital da corporação e, após fazer exames, passa bem.

Através de nota, o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto repudiou a ação da polícia, classificada como truculenta, e o modo como crianças, mulheres, jovens e homens presentes no ato foram tratados. Segundo o texto, o tratamento foi desumano e houve ausência de sensibilidade por parte do governo, além de ausência de resposta às reivindicações.

Por meio de nota, o Governo de Pernambuco alegou que os manifestantes tentaram derrubar o gradil em volta do Palácio do Campo das Princesas e atacaram os policiais que faziam a contenção da área. No texto, a administração estadual afirmou que presta solidariedade aos PMs e que a Casa Civil e a Secretaria de Habitação “têm dialogado permanentemente com todos os movimentos sociais”.

O texto ainda ressalta que o “atual governo é pautado pelo diálogo com a sociedade civil e recebe comissões sempre que procurado, mas não serão tolerados atos de vandalismos como os registrados hoje”.

Avenida Agamenon Magalhães, na área central do Recife, é um dos pontos bloqueados pelos manifestantes (Foto: Reprodução TV Globo)

Avenida Agamenon Magalhães, na área central do Recife, é um dos pontos bloqueados pelos manifestantes (Foto: Reprodução TV Globo)

Bloqueios em protesto

Um deles acorreu na Avenida Agamenon Magalhães, na área central do Recife, no sentido Olinda/Boa Viagem. Houve manifestação também na Avenida Cruz Cabugá, no Cais de Santa Rita, no Centro e no Barro, Zona Oeste da capital. Um grupo ainda caminhou pela Avenida Conde da Boa Vista até a Câmara de Vereadores do Recife.

Por volta das 8h, um grupo de manifestantes fechou os dois sentidos da Avenida Cruz Cabugá, na área central do Recife. Eles colocaram fogo em pedaços de madeira e pneus. Uma grande fumaça se formou no local.

Por causa da interdição, veículos buscavam rotas alternativas, pegando a contramão para tentar fugir do protesto. Passageiros de ônibus desistiram de esperar o fim da manifestação e desceram dos coletivos para seguir viagem a pé. A via foi liberada por volta das 10h.

Fumaça oriunda do bloqueio no Cais de Santa Rita é vista a distância (Foto: Camila Torres/TV Globo)

Fumaça oriunda do bloqueio no Cais de Santa Rita é vista a distância (Foto: Camila Torres/TV Globo)

Ao mesmo tempo, outro grupo colocou fogo em destroços e pneus no Cais de Santa Rita, na área central do Recife. Com poucas rotas alternativas para os motoristas, o engarrafamento era visto até o início do bairro do Cabangá. Agentes da Autarquia de Trânsito e Transporte do Recife (CTTU) orientavam os motoristas a seguirem Avenida Agamenon Magalhães. O cais foi liberado por volta das 10h.

Porém, a Avenida Agamenon Magalhães também registrou um ponto de bloqueio. Uma grande fumaça era vista a distância. Isso porque manifestante fecharam o sentido Olinda/Boa Viagem e aterram fogo em pneus. A via foi liberada às 10h30.

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) também registrou uma interdição no quilômetro 71 da BR-101, no Barro, Zona Oeste do Recife. O bloqueio ocorreu por volta das 8h50, mas a via foi logo liberada.

https://g1.globo.com/pernambuco/noticia/serie-de-protestos-no-recife-termina-em-confronto-entre-manifestantes-e-pm.ghtml

Compartilhe esta notícia:
Henrique Barbosa