12 abr 2018

PF e MPF cumprem mandados contra suspeitos de fraudar fundos de pensão.

Operação investiga os crimes de lavagem de dinheiro, evasão de divisas e corrupção, através de fraudes que geraram prejuízos aos fundos de pensão Postalis e Serpros.

Agentes da(PF) do Ministério Público Federal (MPF) estão nas ruas do Rio para cumprir 10 mandados de prisão contra suspeitos de fraudar os fundos de pensão Postalis (dos Correios) e Serpros (Serpro – empresa pública de tecnologia da informação).
A Operação Rizoma investiga os crimes de lavagem de dinheiro, evasão de divisas e corrupção através de fraudes que geraram prejuízos aos fundos de pensão.
Até as 6h30 a PF já havia confirmado a prisão do empresário Arthur Pinheiro Machado, que já foi dono de corretora e tem mais de 100 empresas ligadas ao CPF dele. Arthur foi preso em São Paulo no início desta manhã.
Cento e quarenta policiais federais cumprem 10 mandados de prisão preventiva e 21 mandados de busca e apreensão no Rio de Janeiro, em São Paulo e no Distrito Federal. Oito mandados devem ser cumpridos no Rio, um em São Paulo e um em Brasília.
As investigações apontam que valores oriundos dos fundos de pensão eram enviados para empresas no exterior gerenciadas por um operador financeiro brasileiro. As remessas, apesar de aparentemente regulares, referiam-se a operações comerciais e de prestação de serviços inexistentes. Em seguida, os recursos eram pulverizados em contas de doleiros também no exterior, que disponibilizavam os valores em espécie no Brasil para suposto pagamento de propina.
Rizoma na Botânica é uma espécie de caule que se ramifica sob a terra, tratando-se de uma alusão ao processo de lavagem de dinheiro e ao entrelaçamento existente entre as empresas investigadas

Compartilhe esta notícia:
Henrique Barbosa