12 abr 2018

O Luiz que a PF está atrás para avançar em investigação contra senador tucano.

Ex-funcionário de Cássio Cunha Lima foi apontado por executivo da Odebrecht como intermediário de R$ 800 mil repassados ao parlamentar.

MARCELO ROCHA

Senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB) em foto de fevereiro de 2015 (Foto: Agência Senado)

A Polícia Federal apresentou ao delator Alexandre Barradas, do grupo Odebrecht, uma foto de Luiz Stern, servidor ligado ao senador Cássio Cunha Lima (PSDB). Barradas viu a imagem e não descartou Stern como o “Luiz” que afirma ter sido apresentado a ele pelo parlamentar para negociar o repasse de R$ 800 mil da empreiteira durante a campanha derrotada ao governo da Paraíba.

Segundo o colaborador, a apresentação ocorreu no gabinete do Senado entre abril e maio de 2014. Em depoimento à PF, Cunha Lima negou que os tenha apresentado. O ministro Gilmar Mendes, relator do inquérito contra o tucano no Supremo Tribunal Federal (STF), concedeu à PF mais 60 dias de prazo para localizar e interrogar Stern.

Atualização — Após a publicação desta notícia, Luiz Stern entrou em contato com EXPRESSO e informou que, embora o despacho do ministro Gilmar Mendes seja do dia 4 de abril, ele compareceu no dia 28 de março à sede da Polícia Federal em Brasília, onde prestou depoimento. Stern negou que tenha sido apresentado por Cássio Cunha Lima ao delator Alexandre Barradas. Em 2014, afirmou ainda, ele estava trabalhando na Companhia Paraibana de Gás (PBGás).

 

 

Compartilhe esta notícia:
Henrique Barbosa