14 maio 2018

No Recife, campanha “Maio Roxo” realiza ações sobre as doenças inflamatórias intestinal.

O movimento reúne as principais associações ligadas às doenças inflamatórias em função do Dia Mundial da Doença Inflamatória Intestinal, celebrado oficialmente no dia 19 de maio

Durante o mês de maio, diversas associações estarão unidas para o Dia Mundial da Doença Inflamatória Intestinal. As atividades terão como objetivo a conscientização sobre essas enfermidades e, também, melhorias na qualidade de vida dos pacientes, como os da doença de Crohn, considerada um dos principais problemas da saúde intestinal. A data, 19 de maio, é uma oportunidade de gerar mais conhecimento e chamar atenção da população para o diagnóstico precoce e no Recife, várias ações estão sendo realizadas.

Durante toda quarta-feira do mês de maio, irá acontecer, no Hospital das Clínica (HC), para a população portadora da doença, palestras com especialistas orientando sobre nutrição, apoio psicológico.  Ação ainda contará com um médico do INSS para falar sobre os direitos dos portadores da doença.

Já na quarta-feira (16), o grande expediente da Câmara Municipal do Recife (CMR) será dedicado a campanha. A proposição é do vereador Aerto Luna (PRP) que acredita que o tema é de extrema importância para a população recifense. Na quinta-feira (17) será realizada uma palestra, no auditório do  Casarão Sala 1, do Real Hospital Português às 19h, sobre a doença para estudantes de medicina.

E no sábado (19) Dia da Mundial da Doença Inflamatória Intestinal, será realizado uma série de ações no Parque da Jaqueira, a partir das 08h, que contará com a participação de médicos e estudantes que distribuirá material conscientizando sobre a importância da prevenção à doença.

É válido destacar, que assim como várias cidades do Brasil, um prédio público, o da Casa de José Mariano, será iluminado durante todo o mês de maio na cor que leva o nome da campanha, “roxo”, para chamar atenção de todos que transitam no local.

Sobre as Doenças

A doença de Crohn pode se manifestar em qualquer parte do tubo digestivo (da boca ao ânus), sendo mais comum no final do intestino delgado e do grosso. Entre os sintomas principais estão diarreia, sangue nas fezes, anemia, dor no abdome, perda de peso e febre. Mais raramente há estomatites (inflamações na boca). Também pode atingir pele, articulações, olhos, fígado e vasos. A doença mescla crises agudas recorrentes, leves a graves, e períodos de ausência de sintomas.

O diagnóstico é feito por meio da colonoscopia com biópsia. Outros exames como radiografia do abdome, exame contrastado do intestino delgado, tomografia computadorizada, ressonância magnética, cápsula endoscópica e exames laboratoriais, na dependência dos sintomas, auxiliam na identificação das alterações típicas.

É relativamente comum a necessidade de cirurgias, como retirada de segmentos do intestino por oclusão, sangramento ou perfuração, especialmente o delgado, e tratamento de lesões anais como abscessos e fístulas, contribuindo, em muito, para o controle dos sintomas e das possíveis complicações. Também não é rara a confecção de estomas, que são aberturas do intestino na pele do abdome para permitir a saída de fezes, sem passar pela região afetada.

Retocolite ulcerativa

A retocolite ulcerativa inespecífica caracteriza-se por inflamação da mucosa do intestino grosso, apresentando diarreia crônica com sangue e anemia. O reto quase sempre está afetado, sendo às vezes o único segmento. Não há lesões no intestino delgado, o que constitui característica da doença, muitas vezes sendo o fator primordial para diferenciá-la da doença de Crohn. A inflamação pode vir a se tornar muito grave, com hemorragias maciças e perfuração intestinal, necessitando de cirurgias de urgência

O diagnóstico é feito principalmente pela colonoscopia com biópsias.

O tratamento inclui medicamentos para controle da inflamação. Quando a doença não consegue ser controlada por meio de tratamento clínico ou apresenta determinadas complicações agudas ou crônicas, especialmente neoplasia, mesmo muito precoce, opta-se pela cirurgia.

(*) CONTATO PARA ENTREVISTA

Dr. Carlos Brito (Gastroenterologista)

81 -99127-7732

Compartilhe esta notícia:
Henrique Barbosa