14 jun 2017

‘Meu silêncio nunca esteve à venda’, diz Cunha à PF.

O ex-presidente da Câmara e ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) negou nesta quarta-feira, em depoimento à Polícia Federal, ter recebido dinheiro da JBS para se manter em silêncio sobre supostos casos de interesse da Operação Lava Jato. O peemedebista foi interrogado na Superintendência da PF, em Curitiba, no inquérito que investiga o presidente Michel Temer no Supremo Tribunal Federal por corrupção passiva, obstrução da Justiça e organização criminosa.

O advogado de Cunha, Rodrigo Sanchez Rios, afirmou que o seu cliente disse de “forma firme” que “o silêncio dele nunca esteve à venda” e que nunca foi procurado por Temer ou por algum interlocutor do presidente sobre uma suposta tentativa de evitar que ele colaborasse com a Lava Jato. “Ele refutou categoricamente”, reforçou o advogado.

Cunha não é formalmente investigado no processo, mas foi citado na embaraçosa conversa travada entre o dono da JBS, Joesley Batista, e o presidente, na noite do dia 7 de março no Palácio do Jaburu — o empresário gravou secretamente o diálogo e depois o entregou à Procuradoria-Geral da República (PGR) como parte do acordo de delação premiada. Na ocasião, o executivo disse que havia “zerado as pendências” e que estava “de bem” com Cunha. Temer, então, responde: “É, tem que manter isso, viu?”.

O presidente nega que tenha dado aval a Joesley para manter os  repasses a Cunha, conforme interpretou os investigadores pela conversa acima. A sua defesa também contesta a integridade do áudio, que passa por uma perícia da PF ainda não concluída.

Segundo o advogado de Cunha, os delegados da PF fizeram 47 perguntas ao deputado cassado — todas enviadas pela corporação de Brasília. Cerca de metade delas se referia aos pagamentos da JBS e a outra metade ao suposto esquema de desvios na Caixa Econômica Federal. Sobre este segundo caso, o deputado teria se recusado a responder às questões.

Preso desde outubro do ano passado, Cunha já foi condenado a 15 anos de prisão pelo juiz Sergio Moro pelos crimes de corrupção, lavagem de dinheiro e evasão de divisas numa ação relacionada a pagamento de propina na compra de um campo petrolífero na África pela Petrobras. Ele estava preso no Complexo Médico Penal, em Pinhais, na Grande Curitiba, e foi deslocado até a sede da PF para prestar depoimento.

 

 

 

 

 

 

 

 

Compartilhe esta notícia:
Henrique Barbosa