12 abr 2018

Juiz Bate Boca Com Advogado De Lula E Diz Que Defesa “Está De Brincadeira.

Da Redação

O juiz federal Sérgio Moro e o advogado do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Cristiano Zanin Martins, tiveram uma ríspida discussão na tarde desta quarta-feira, durante audiência para um novo depoimento do empresário Marcelo Odebrecht no processo em que Lula é acusado de receber propina da Odebrecht através de um terreno em que seria construída a sede do Instituto Lula e o apartamento vizinho à residência do ex-presidente em São Bernardo do Campo. Zanin e Moro discutiram sobre a necessidade do depoimento que, segundo Moro se fez necessária por novos questionamentos da defesa acerca de emails apresentados por Odebrecht ao processo.

Supremo suspende análise de habeas corpus pedido por Palocci

Zanin disse que não requereu o depoimento, mas Moro explicou que, como fez novas perguntas por escrito, o trâmite legal é o depoimento. Zanin disse que, como não teve acesso ao conteúdo na íntegra de todos e-mails trocados por Odebrecht, mas apenas das mensagens anexadas aos autos, o que inviabilizaria a audiência. “A defesa apresentou perguntas específicas em relação a mensagens que constam nos autos. Essa audiência foi marcada a pedido da defesa. Então, a audiência vai ser realizada”, disse o juiz.

Zanin respondeu que não requereu a audiência, “requeremos a verificação da autenticidade do material”. Moro disse que ao juntar perguntas, era necessária a nova audiência. Zanin negou e disse não ter perguntas, querendo apenas a verificação da autencidade dos e-mails. “Eu não tenho perguntas porque não tive acesso à integralidade dos documentos”, o que irritou Moro. “Acho que aí é uma brincadeira da defesa. A defesa apresenta questões por escrito. Um acusado é ouvido oralmente, o juiz marca a audiência e, aí, a defesa vem e não quer fazer as perguntas”.

O advogado de Lula disse que sem o acesso à íntegra do material, não tem perguntas. “Isso é cerceamento de defesa. Vamos respeitar a Constituição no mínimo”, respondeu Zanin. “Isso é uma perda de tempo. Marcar uma audiência a pedido da defesa e a defesa não fazer perguntas”, retrucou Moro, que abriu a sessão mesmo assim.

Ao final da audiência, depois das perguntas do próprio juiz, do Ministério Público e dos advogados de defesa, Moro fez, à revelia da defesa de Lula, as perguntas que foram elaboradas por escrito pelos advogados do petista, citando que nenhuma das perguntas necessitaria de acesso à íntegra dos materiais coletados pela Polícia Federal, e informou que dará acesso à integra, deferindo o pedido da defesa.

Compartilhe esta notícia:
Henrique Barbosa