12 jun 2018

Itamaraty defende direito de chanceler se hospedar em hotéis de luxo.

Tour de Aloysio Nunes pela Ásia custou R$ 265 mil; hotéis de até sete estrelas são “compatíveis” com o nível ministerial, disse órgão.

Por O Globo

Hotel Wanda Reign on the Bund, em Xangai – Divulgação

BRASÍLIA — Enquanto todas as áreas do governo se ajustam ao corte de R$ 13,5 bilhões realizado para atender às demandas da paralisação dos caminhoneiros, o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes e sua comitiva de dez pessoas, composta até por sua mulher, gastou cerca R$ 265 mil em diárias de hotéis de luxo, durante um giro pela Ásiaque durou 27 dias. Ao defender o alto padrão de qualidade dos hoteis escolhidos para hospedar o chanceler, o Itamaraty afirmou que os lugares seriam “compatíveis com o nível de representação de uma visita ministerial”.

A nota foi divulgada depois que o portal “Metrópoles” revelou os detalhes do tour de Aloysio por sete países da Ásia. Segundo o ministério, foram gastos US$ 54 mil na hospedagem e US$ 17,8 mil em passagens aéreas, totalizando US$ 71,8 mil (aproximadamente R$ 265 mil, na cotação do dólar desta segunda-feira). Os dados foram obtidos por meio da Lei de Acesso à Informação.

A pouco mais de seis meses do fim do governo do presidente Michel Temer, o chanceler tentou explicar na nota os resultados obtidos pela longa viagem. De acordo com o Itamaraty, a viagem teve como objetivo “explorar o enorme potencial inexplorado nas relações do Brasil com a região” e “recuperar o tempo perdido, colocando a Ásia no centro da política externa brasileira”.

Hotel Ana Intercontinental, em Tóquio – Divulgação

A comitiva passou por China, Coreia do Sul, Indonésia, Japão, Cingapura, Tailândia e Vietnã entre os dias 2 e 28 de maio. A esposa de Aloysio, Gisele Sayeg, fez parte do grupo, mas, de acordo com o ministério, sua presença “não gerou custo para o Erário”.

Entre os hotéis utilizados está o Wanda Reign Xangai, o primeiro sete estrelas em Xangai. As diárias nele podem chegar a R$ 1.429. Os outro setes hotéis são cinco estrelas, com diárias chegando até a R$ 1.847: Shangri-la (Singapura), Sukhotai (Bangkok), Mandarin Oriental (Jacarta). St. Regis (Pequim), Ana Intercontinental (Tóquio), Wanda Reign (Xangai) e Lotte (Seul).

Segundo a pasta, entre as medidas tomadas na viagem estão: acordo com Cingapura para eliminar a dupla tributação, a colaboração no treinamento diplomático do Vietnã, o acordo de colaboração agrícola e cooperação em defesa com a Tailândia.

“Em todos os países, foram exploradas oportunidades de cooperação em áreas prioritárias para o desenvolvimento nacional, tais como ciência, tecnologia, inovação e educação. A região oferece imenso reservatório de boas práticas que podem ser aproveitadas nessas e outras áreas”, diz a nota.

 

Compartilhe esta notícia:
Henrique Barbosa