10 ago 2017

Governo quer limitar salário inicial de novos servidores do Executivo a R$ 5 mil.

Medida será anunciada juntamente com a divulgação de redução das metas de 2017 e 2018, no início da tarde

BRASÍLIA – O governo deve adiar de janeiro de 2018 para janeiro de 2019 o reajuste de servidores públicos do Executivo, segundo apurou o Estadão/Broadcast. Com isso, a economia para os cofres públicos será de R$ 9 bilhões no próximo ano.

A medida será anunciada juntamente com a divulgação de redução das metas de 2017 e 2018, no início da tarde. A meta fiscal deverá passar de R$ 139 bilhões para R$ 159 bilhões, conforme antecipou o Estadão/Broadcast na semana passada. O resultado seria o mesmo registrado em 2016. Diante da dificuldade em alcançar a meta fiscal, o governo ainda está avaliando a possibilidade de adiar reajustes dos servidores federais previstos para o ano que vem.

Outras medidas de economia também serão divulgadas, entre elas a limitação do salário inicial de novos servidores públicos do Executivo a R$ 5 mil. A intenção é que haja um espaço para que os servidores cresçam na carreira até atingir o teto do funcionalismo. Hoje, o salário inicial de algumas carreiras já é próximo do teto, o que deixa pouco espaço para progressão. Ainda estão sendo definidas as carreiras que serão atingidas por essa limitação.

Meta.  O governo deverá anunciar a mudança das metas de superávit primário para 2017 e 2018. A meta fiscal de 2017 deverá aumentar R$ 20 bilhões e passar para um déficit de R$ 159 bilhões. Para 2018, a ampliação também deverá ser de R$ 20 bilhões, passando para R$ 149 bilhões. O anúncio será feito após reunião do presidente Michel Temer com ministros e parlamentares.

Compartilhe esta notícia:
Henrique Barbosa