12 jul 2018

Dodge quer que STJ abra inquérito sobre juiz que mandou soltar Lula.

Procuradora apontou suspeitas do crime de prevaricação e sustentou que Rogério Favreto agiu para ‘satisfazer a interesse ou sentimento pessoal’.

Raquel, e Gilmar? Tudo bem? Gilmar pode tudo ou você tem medo da fera?

Dodge quer que STJ abra inquérito sobre juiz que mandou soltar Lula

© Ueslei Marcelino / Reuters

POR FOLHAPRESS – POLÍTICA – INVESTIGAÇÃO

procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu ao STJ (Superior Tribunal de Justiça) a abertura de um inquérito para investigar a conduta do juiz federal Rogério Favreto, do TRF-4 (Tribunal Regional Federal da 4ª Região).

Como plantonista, Favreto deu ordem no domingo (8) para soltar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Dodge apontou suspeitas do crime de prevaricação (cuja pena prevista é de 3 meses a um ano de detenção) e sustentou que Favreto agiu para “satisfazer a interesse ou sentimento pessoal”.

A decisão do juiz plantonista foi revertida pelo presidente do TRF-4, Thompson Flores, após movimentação do juiz Sergio Moro, responsável pela Lava Jato na primeira instância.

“Sem competência para praticá-los [seus atos] no plantão judiciário, o representado [Favreto] assumiu função judicial que não era sua, pretendendo desconstituir ordem judicial válida, emanada de juízo competente (a 8ª Turma do TRF-4) e confirmada mais de uma vez pelos Tribunais Superiores [STJ e STF]”, descreveu Dodge.

“[Favreto] Deu aparência de legalidade à sua competência e ao conteúdo da sua decisão, fazendo crer que desconstituía ato de juiz federal [Moro] e não do próprio TRF-4. Reiterou-a e dirigiu-se à autoridade policial, fixando prazo em horas para que cumprisse sua decisão, chegando a cobrar pessoalmente ao telefone o seu cumprimento”, continuou.

“Tal conduta apresenta elementos de ato ilícito praticado dolosamente com o objetivo de satisfação de sentimentos e objetivos pessoais, tipificado pela lei penal.”

A procuradora-geral também representou contra Favreto no CNJ (Conselho Nacional de Justiça), onde o juiz federal poderá responder a Processo Administrativo Disciplinar.

OUTRO LADO

Procurada, a assessoria do TRF-4 informou que Rogério Favreto não está se manifestando sobre o assunto.

Com informações da Folhapress.

Compartilhe esta notícia:
Henrique Barbosa