11 jul 2018

“Arquivamento da privatização da Eletrobrás é vitória da mobilização”, afirma Danilo Cabral.

A confirmação de que a venda do setor elétrico não será mais realizada nesta legislatura foi anunciada na noite de ontem (10)

Presidente da Frente Parlamentar em Defesa da Chesf, o deputado federal Danilo Cabral (PSB) comemorou o arquivamento do projeto de privatização da Eletrobrás. “Essa é uma importante vitória da mobilização da sociedade, demonstra que vale a pena lutar por nossos direitos e pela soberania nacional”, afirmou o socialista. Desde que a proposta chegou à Casa, no ano passado, o deputado tem feito um duro enfrentamento contra a pauta, inclusive com diversos questionamentos judiciais.

“Não podemos permitir esse crime contra o Brasil e seu povo seja praticado. A Eletrobrás, a Chesf e o Rio São Francisco são patrimônio do povo brasileiro, um símbolo da soberania do País e, além de tudo, sua venda iria trazer consequências pesadas, sobretudo o aumento da conta de energia”, reforçou Danilo Cabral. Ele destacou que, ao longo de 50 anos, a empresa estatal recebeu cerca de R$ 400 bilhões em investimentos e havia previsão de ser vendida por R$ 12 bilhões, de acordo com o orçamento do governo para este ano.

A confirmação de que a venda do setor elétrico não será mais realizada nesta legislatura foi anunciada na noite de ontem (10) pelo presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM). Prioridade legislativa do governo Temer em 2017, a privatização da Eletrobrás está em análise por uma comissão especial e só seria levada para votação no Plenário da Casa se obtivesse apoio da maioria, o que não ocorreu.

“Junto com os trabalhadores do setor elétrico, mobilizamos a sociedade e o Congresso Nacional, fomos à justiça, ao Ministério Público para impedir a privatização. Temos que nos manter mobilizados para evitar que essa pauta retorne”, disse Danilo. Ao longo desses meses, o deputado entrou com ação na justiça, articulou junto aos funcionários da Companhia um movimento contra a Privatização e apresentou dezenas de emendas contra a Privatização. Uma delas, excluindo a CHESF e a Eletrobrás do processo de venda do setor elétrico brasileiro. Também é da sua autoria a emenda que sugere a realização de um Referendo Popular para que a população decida a questão. A proposta de referendo foi aprovada na CCJ.

Compartilhe esta notícia:
Felipe Durand