18 fev 2020

Lucro da Magazine Luiza cresce 54% em 2019.

Comércio online responde por 48%

Resultado faz ações terem valorização

Analistas apontam diversificação

Rede prepara Magalu Pagamentos

O crescimento das vendas online da Magazine Luiza foi acelerado no 4º trimestre de 2019, avançando 92,8%, para R$ 4,3 bilhõesReprodução/Facebook

O lucro líquido da Magazine Luiza cresceu 54,3% em 2019 em relação a 2018, atingindo R$ 921,8 milhões. O valor foi impulsionado pelo e-commerce, que passou a representar 48% do faturamento. No 2º trimestre de 2019, essa proporção era de 41%.

A empresa fez teleconferência sobre os resultados no 4º trimestre de 2019 nesta 2ª feira (17.fev.2020). Eis a íntegra (2 MB) do relatório.

No 4º trimestre, a receita líquida cresceu 38,5% na comparação com o mesmo período do ano anterior e o lucro líquido caiu 11,4%. Segundo o presidente da rede de lojas, Frederico Trajano, os investimentos e as despesas operacionais cresceram com o objetivo de aumentar a frequência de compras, a base de clientes e a qualidade dos serviços.

Trajano disse que houve “1 pouco de trade-off de rentabilidade por venda, mas muito menos do que se vê no mercado”. Ele citou estratégias de concorrentes que tem evitado: “Você vê gente vendendo com 50% de desconto e cash back de 30%. Fazer isso é fácil, mas nós preferimos investimentos sustentáveis. Não que não faremos se acharmos que precisa. Mas não é nosso perfil”.

O aplicativo do Magalu chegou a 19 milhões de usuários mensais, impulsionando a participação do varejo online. Relatório da XP Investimentos apontou para as perspectivas de a Magazine Luiza manter a trajetória de crescimento.

Acreditamos que os investimentos contínuos na plataforma de serviços da companhia e na aquisição de clientes devem continuar contribuindo para o crescimento acelerado em 2020”, escreveu o analista da XP Pedro Fagundes.

COMPRA DA ESTANTE VIRTUAL

A Magazine Luiza também comentou nesta 2ª, em comunicado, a compra da Estante Virtual, 1 dos maiores marketplaces (lojas virtuais) de livros do Brasil. “A aquisição reforça a estratégia da Magalu de crescimento em novas categorias e aumento da frequência de compra”, diz o texto. Leia a íntegra (303 KB).

A Estante Virtual foi comprada da Saraiva, em recuperação judicial, por R$ 31 milhões, em 28 de janeiro. Consolida a estratégia de fazer frente ao crescimento da gigante norte-americana Amazon no Brasil.

A Magazine Luiza tem grande participação no comércio de eletrodomésticos e roupas. Diversificou a oferta de produtos com a compra da Época Cosméticos, em 2013. No ano passado, comprou a Netshoes, líder na venda de calçados, e a Zattini, também desse setor.

A Estante Virtual, mais recente compra da Magazine Luiza, surgiu em 2005, como uma plataforma de venda de livros usados. Nos últimos anos, passou a oferecer livros novos, que atualmente representam cerca de ⅓ de todos os livros vendidos.

Em 2019, a plataforma movimentou R$ 120 milhões com a venda de 3 milhões de livros para 1 milhão de clientes. A Estante Virtual tem aproximadamente 6.000 vendedores e 20 milhões de títulos disponíveis.

Após a integração, os produtos ficarão disponíveis no aplicativo Magalu e poderão ser retirados em até 48h e sem cobrança de frete nas mais de 1.100 lojas presentes em 780 cidades. Dessas cidades, 300 não têm livrarias.

“Com a aquisição, o Magalu também reforça a categoria de livros em sua própria plataforma, lançada em 2019, e avança no sentido de se tornar referência no segmento”, destaca o comunicado da companhia.

MAGALU PAGAMENTOS

Também na teleconferência desta 2ª feira, Trajano disse que o Magalu Pagamentos será implementado no 1º trimestre de 2020.

O Magalu Pagamentos oferece serviços financeiros a clientes finais e a vendedores que utilizam o aplicativo. São duas vertentes: a Magalupay, carteira digital da empresa, e 1 serviço de pagamentos voltado a vendedores que usam o marketplace da companhia. A ideia é que todos esses serviços estejam integrados à nova plataforma até abril.

“Nossa preocupação é que a consolidação desse produto ocorra de forma sólida”, afirmou Trajano. “Demorou 1 pouco para lançar, mas lançamos dentro de estabilidade.”

Compartilhe esta notícia:
Henrique Barbosa