1 fev 2020

Entenda o que acontece após o Reino Unido ter saído da União Europeia.

Durante o período de transição, até dezembro de 2020, haverá ainda um comitê exclusivo para discutir questões relativas à Irlanda do Norte.

E existe também um compromisso de que, caso não se chegue a um acordo ao final da transição, a Irlanda do Norte não será afetada pelas mesmas tarifas e barreiras comerciais que poderão ser impostas ao restante do Reino Unido pela União Europeia.

Adiamentos

Inicialmente, o Brexit deveria ter acontecido em 29 de março de 2019, mas foi adiado por três vezes, já que a ex-primeira-ministra Theresa May não conseguiu que o Parlamento britânico aprovasse o acordo de retirada que ela havia negociado com a União Europeia.

O desgaste causado pelas rejeições custou a ela o cargo, e May renunciou, sendo substituída por Johnson em junho do ano passado. Em sua primeira tentativa, o novo premiê também fracassou e não conseguiu aprovar um acordo.

Isso mudou, porém, depois que foi reconduzido ao cargo depois que seu partido, o Conservador, ganhou as eleições em dezembro. Já com a maioria parlamentar garantida, ele conseguiu aprovar com facilidade seu plano no início deste ano e dar prosseguimento ao Brexit, cumprindo a data de 31 de janeiro.

Saída com gaita de fole

Representante da União Europeia no Brasil explica impactos do Brexit

Representante da União Europeia no Brasil explica impactos do Brexit. (Clique e assista ao vídeo)

Eurodeputados do Partido do Brexit do Reino Unido –portanto, favoráveis à separação– deixaram nesta sexta-feira (31) a Eurocâmara com destino a Londres, em uma encenação cuidadosa com bandeira britânica e gaita de fole incluídas.

“Adeus! Nós não voltaremos”, gritou a deputada Ann Widdecombe, antes da pequena delegação entrar nos táxis em direção à estação para pegar o trem até Londres.

Rupert Lowe se diz “feliz” por voltar. “Se acreditam na democracia, sigam o nosso exemplo. Nós levamos nossa soberania para casa. É o que o povo britânico quer”, acrescenta o deputado da formação populista de direita.

O presidente do partido, Nigel Farage, já havia deixado a Europa continental na noite de quarta-feira após a histórica ratificação pela Eurocâmara do acordo de divórcio que encerra 47 anos de adesão do Reino Unido ao bloco.

A bandeira do Reino Unido é dobrada e removida após ser baixada do lado de fora do Parlamento Europeu, em Bruxelas, na Bélgica, na noite do Brexit, em 31 de janeiro — Foto: AP Photo/Francisco Seco

A bandeira do Reino Unido é dobrada e removida após ser baixada do lado de fora do Parlamento Europeu, em Bruxelas, na Bélgica, na noite do Brexit, em 31 de janeiro — Foto: AP Photo/Francisco Seco

Compartilhe esta notícia:
Reinhard Allan Santos