4 dez 2019

A culpa dos governos Lula e Dilma na tragédia do Brasil no Pisa.

 Petistas são os principais indiciados neste crime contra a Educação, algo tão grave quanto os delírios de corrupção que arruinaram o País em treze anos e meio

José Roberto Guzzo, O Estado de S.Paulo

 

É uma das nossas tragédias em câmara lenta. Saíram, como acontece a cada três anos, os resultados do Pisa, o principal teste internacional de avaliação da qualidade do ensino através do mundo, e o Brasil continua condenado a ser um grotão em que os jovens não têm esperança, nem futuro. O Brasil? Não exatamente. Esse é um inferno reservado para os mais pobres e, de um modo geral, para os que sofrem o ensino dado a eles no sistema público de educação. Ensino? Não exatamente.

O que recebem ali é ignorância em estado bruto. Aprendem, em nossas escolas, o suficiente para ficar entre os 20 piores países entre os 79 avaliados nas provas do último Pisa, em ciências, matemática e capacidade de leitura. A grande vitória é que o Brasil não foi o pior de todos os avaliados da América Latina – foi apenas o sexto pior. Um alívio, para uma sociedade em que o Ministério da Educação tem 300.000 funcionários e gasta um dos dois maiores orçamentos da República, junto com a Saúde.

Posse de Dilma
A presidente Dilma Rousseff recebe a faixa presidencial do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva durante sua posse no parlatório do Palácio do Planalto. Foto: Celso Junior/Estadão

Não dá, neste caso, para dizer que a culpa é do governo Bolsonaro: o exame divulgado agora foi feito em 2018, quando nem ele era presidente e nem os seus ministros da Educação eram ministros de coisa nenhuma. De Michel Temer, então? Também não: ninguém consegue destruir a educação de um país em apenas dois anos. É óbvio, pela simples verificação do calendário, que os governos Lula e Dilma, que duraram treze anos e meio são os principais indiciados neste crime – tão grave quanto os delírios de corrupção com que arruinaram o País em sua passagem por Brasília. Aí sim: em treze anos já dá para fazer muito estrago.

Nesse período nada melhorou – e tudo piorou, com certeza, onde foi possível piorar. Foi uma soma de desgraças. Houve as fumaças do “Método Paulo Freire”, um negócio que nenhum país sério do mundo aplica em suas salas de aula. Houve as divagações sobre o “kit gay”. Houve a destruição de recursos devidos ao ensino básico – com o seu desvio para faculdades inúteis de “ciências humanas”, pagas por você e capazes de cometer erros de português até nos diplomas que escrevem.

Culpa do PT, então? Antes fosse. O real problema é que o naufrágio do Pisa estará esquecido dentro de 24 horas, no máximo. Não existe cura possível para isso.

Compartilhe esta notícia:
Henrique Barbosa