10 nov 2019

‘ Os filhos de Bolsonaro são bem-educados’, diz Leda Nagle.

Com canal no YouTube e estúdio caseiro, jornalista que entrevistou cinco vezes o clã presidencial rejeita pecha de porta-voz e diz que polarização pirou as pessoas
A jornalista Leda Nagle durante entrevista em sua casa, em São Paulo
A jornalista Leda Nagle durante entrevista em sua casa, em São Paulo Keiny Andrade/Folhapress

Fábio Zanini
SÃO PAULO/FSP

As câmeras e o material de iluminação que tomam praticamente toda a sala de estar são a primeira visão de quem entra no apartamento da jornalista Leda Nagle, 68, no bairro paulistano dos Jardins.

“Aqui é meu estúdio habitável”, diz ela, que mora no local há um ano e meio, depois de uma vida inteira entre Juiz de Fora (MG), onde nasceu, e o Rio, cidade em que fez sua carreira em diversas emissoras de TV.

Com esta estrutura caseira, Leda tornou-se recordista em entrevistas exclusivas com a família Bolsonaro. Já são cinco: duas com Jair (uma como candidato e outra como presidente) e uma cada com Flávio, Carlos e Eduardo, todas veiculadas em seu canal no YouTube.

Não satisfeita, busca agora as que faltam para completar sua coleção. Diz que já tem um “semi-ok” de Rogéria, primeira mulher do presidente e mãe dos três filhos políticos dele.

“Eu quero saber como ela criou três filhos aparentemente belicosos, mas que na vida real são tão gentis. É muito surpreendente como eles são bem-educados, muito respeitosos”, afirma, sobre Zero Um, Zero Dois e Zero Três.

Ela mira também Michelle, a primeira-dama, mas a grande ambição é Olinda Bolsonaro, 92, mãe de Jair. “Se eu conseguir, aí que vão me chamar de bolso-alguma coisa mesmo”, diz.

Sem ter o que fazer e com medo de virar uma “pentelha” na vida do filho, dobrou-se à insistência dele para experimentar o jornalismo de internet. “Comecei na marra, com telefone celular. Muito primário”, lembra.

As primeiras entrevistas foram feitas na cozinha gourmet do flat em que o filho morava, na Vila Madalena. Dois anos e meio depois, Leda acumula duas centenas de entrevistas e equipamentos um pouco melhores.

“São duas cadeiras velhas reestofadas, iluminação comprada no Mercado Livre, três câmeras que ao todo devem ter custado R$ 1.000 e umas plantas artificiais que achei numa chinesa da avenida Angélica”, diz ela, que se mudou para São Paulo pela facilidade de acesso às fontes e para ficar mais perto do filho e da neta.

Também faz algumas entrevistas em sua casa no Rio, mas é na sala da morada paulistana que recebe a maioria dos artistas, médicos, influenciadores digitais e políticos que convida.

Foi lá que Eduardo Bolsonaro entrou no dia 28 de outubro para dar a entrevista em que mencionou a volta do AI-5 como uma possibilidade, caso haja radicalização por parte da esquerda. Veiculada três dias depois, foi uma bomba instantânea.

“Eu tinha acabado de contratar uma moça para me ensinar a mexer no computador. Ela veio me dar aula, mas eu ficava olhando no telefone, e pipocava o WhatsApp. Falei: meu Deus, o que é isso? O que eu fiz de errado, o que aconteceu?”, diverte-se.

Nas redes sociais, recebeu algumas críticas por não ter contestado com firmeza o filho do presidente na hora. Leda se defende, dizendo que Eduardo colocou a reedição do instrumento que endureceu a ditadura como uma possibilidade.

“Se ele tivesse falado ‘eu quero o AI-5, vou lutar pelo AI-5’, era diferente. Na hora, achei que estava de bom tamanho. Não pensei em contestar, nem em aprofundar”, afirma.

Seu estilo, diz Leda, nunca foi o de travar embates com o entrevistado. “Meu jeito é convidar para falar e deixar falar”, diz.

Mas diz que não compactua com a volta da ditadura. “Sou defensora sem limites da democracia. Ditadura nunca mais. Hashtag nunca mais, para ficar moderno”.

Com tanto acesso à família do presidente, é inevitável que Leda seja vista como uma porta-voz extraoficial dos Bolsonaro. Ao ouvir esse comentário, ela respira fundo antes de responder: “Acho isso uma grande desinformação. Eu entrevisto a família Bolsonaro, mas entrevistei o Boulos, o Amoêdo, o Alvaro Dias. Não tenho nenhum compromisso com a família A ou B”, diz.

A lista não tem nenhum petista, mas ela diz que não foi por falta de tentativa. Entrevistaria Lula? “Claro, com o maior prazer. Eu conheço o Lula acho que você nem andava ainda. Fiz campanha com o Lula pelo [Fernando] Gabeira governador do Rio em 1986, tenho fotos disso”.

O sucesso ao conseguir as entrevistas se deve, diz ela, à imagem construída durante a carreira e à insistência de repórter. Foi assim que conquistou um dos troféus de sua nova carreira de youtuber, uma conversa com o vereador Carlos Bolsonaro, notoriamente refratário à imprensa.

“Escrevi no Twitter dele, me apresentei, e nada. Retuitei, e aí vi que tinha um monte de gente respondendo, me dando apoio. Um dia o Carlos me ligou. Falou que não gostava de dar entrevista, mas que ia pensar. No dia seguinte, marcou uma hora e veio”.

Ela acredita ter estabelecido uma relação de confiança com a família Bolsonaro desde a primeira entrevista, feita com o então candidato Jair no ano passado, em seu apartamento no bairro de São Conrado, no Rio.

Mas diz que não é amiga do clã. “Tenho zero de intimidade. Nunca comi o pão com leite condensado”, afirma.

Ela elogia a aprovação da reforma da Previdência, embora ache que tenha sido muito diluída. É admiradora de Sergio Moro (Justiça), um “ministro essencial”, e diz que uma das entrevistas que mais gostou de fazer foi com Damares Alves (Direitos Humanos). “Achei ela ultrassincera. Ela fala com o coração, você sente verdade”.

Para Leda, a imprensa se comporta de forma partidária. “A TV, a imprensa em geral, está muito militante. Contra tudo, mas basicamente contra o Bolsonaro. Tem que apontar os erros, mas também os acertos”, diz.

“Há uma má vontade da imprensa com ele, e dele com a imprensa. Dois bicudos não se beijam. Eu gostaria muito de quebrar isso. Posso não gostar da pessoa, mas desafio você a descobrir se gosto ou não. Eu não dou bandeira”, afirma.

Embora diga estar “apaixonada” pela liberdade que o YouTube proporciona, ela diz que ainda não se acostumou às reações muitas vezes iradas que recebe em seu canal, que tem 673 mil inscritos.

​É um sintoma, ela acredita, de uma realidade maior de polarização do país.  “As pessoas piraram nessa coisa da divergência, essa coisa Bolsonaro, anti-Bolsonaro, petista, antipetista. Virou um absurdo”, diz.

Na Globo, onde trabalhou durante 13 anos, era comum repórteres sofrerem hostilização. “Na época do [governador Leonel] Brizola, a gente era xingado na rua”. Mas a coisa piorou, opina. “Agora tudo é mais. A internet deu voz a todo mundo. Todo mundo é repórter, todo mundo tem microfone, filma o juiz em Lisboa, filma o outro no avião, xinga o deputado…”

A entrevista à Folha foi feita antes do embate entre os jornalistas Augusto Nunes e Glenn Greenwald. Procurada depois, Leda não quis comentar o episódio.

Uma das prioridades da jornalista neste momento é conseguir patrocínio para seu canal. As despesas com aluguel do apartamento e a contratação de dois profissionais (um no Rio, outro em São Paulo) para filmar e editar as entrevistas saem de seu bolso.

O que recebe do YouTube como monetização dos vídeos não cobre os custos, diz, que ela tenta manter no menor patamar possível.

“Eu mesmo me maquio, faço cabelo, boto a mesa com uns breguetes aí, passas, castanhas, biscoito de polvilho, café, refrigerante. Claro que se alguém falar que quer um uísque vai ter, mas ninguém nunca falou. Nem o Zeca Pagodinho tomou cerveja”.

Em geral ela coloca no ar duas entrevistas por semana, com duração entre 30 e 60 minutos. Nunca faz roteiro prévio da entrevista, deixa que uma pergunta leve a outra. “Sou muito caótica para fazer roteiro”.

Com passagens também pelo SBT e a extinta Manchete, Leda diz estar feliz pelo reinício na profissão. “Estou com 68 anos, me reinventei aos 66. O que eu sou, uma ‘Geriatuber’? Sei lá…”.

Workaholic assumida, diz que tem pressa de ver as coisas melhorando. “Eu li um artigo dizendo que só quem tem de 25 a 30 anos vai ver o Brasil melhor. Eu fiquei arrasada. Eu não posso aceitar isso”.

Mônica Bergamo

Jornalista e colunista.

Compartilhe esta notícia:
Henrique Barbosa