3 nov 2019

PSL, DO PARAÍSO À PERDIÇÃO.

Pesquisa inédita do Ibope Inteligência revela que mais eleitores não votariam de jeito nenhum no partido de Bolsonaro do que no PT de Lula: 50% a 43%

JOSÉ ROBERTO DE TOLEDO (*)

Um ano após a eleição, Jair Bolsonaro conseguiu levar seu PSL, se não à ruína, certamente à perda de qualquer moral e dos bons costumes. Em 12 meses, foi do paraíso à perdição. De partido mais votado da Câmara dos Deputados, tornou-se uma legenda mais rejeitada pelos eleitores do que seu arquirrival, o PT. Pesquisa inédita do Ibope Inteligência revela que 50% dos brasileiros não votariam no PSL de jeito nenhum. A rejeição ao PT chega a 43%. Os sete pontos percentuais a menos podem parecer pouco, mas equivalem a 10 milhões de eleitores. O potencial de voto encontrado pelo Ibope Inteligência indica que, se as eleições municipais fossem hoje e não daqui a um ano, um candidato ao legislativo municipal pelo PT teria mais vantagem do que um do PSL – algo difícil de imaginar um ano atrás, quando Bolsonaro derrotou Fernando Haddad e se elegeu presidente.

A “hienização” do PSL promovida pelo clã Bolsonaro custou muito caro à organização partidária. Apenas 12% dos eleitores brasileiros votariam hoje com certeza no partido do presidente. É menos da metade dos 27% que declaram que votariam com certeza no PT. As duas siglas se equivalem apenas na taxa dos eleitores indecisos: 27% afirmam que poderiam votar no PT, e 29%, no PSL. O resultado sugere que, embora ainda guarde alguma força eleitoral, dificilmente a bancada de vereadores a ser eleita pelo partido comandado por Bivar chegará perto da bancada petista ou da de outros partidos cuja base municipal tem capilaridade, como o MDB. Há diferenças regionais importantes, porém.

A quebra da pesquisa Ibope por grande região do país demonstra que, no Nordeste, o voto no PT é quatro vezes mais certo do que o no PSL: 42% dos eleitores nordestinos dizem que votariam com certeza no partido de Lula, e só 11% repetem a mesma convicção sobre o voto no partido de Bolsonaro. Para complicar, 62% do eleitorado do Nordeste afirma que não votaria no PSL de jeito nenhum. É um sinal preocupante para Bivar, que tem sua base eleitoral individual em Pernambuco.

A disparidade cai para a metade no Sudeste, todavia. No maior colégio eleitoral do país, 24% declaram voto certo no PT, contra 11% no PSL. Já no Sul, os potenciais eleitorais dos dois partidos se equivalem: 17% votariam com certeza num petista, e 15%, num candidato do PSL. A rejeição ao PT na média dos três estados austrais é maior do que ao PSL: 49% a 43%.

A despeito da expressão de certeza, não se deve levar os resultados da pesquisa ao pé da letra. Não é só porque o eleitor diz que votaria com certeza que ele vai sufragar aquele partido na urna. Deve-se imaginar o resultado mais como um sinal de que o eleitor não tem nada contra a legenda em questão do que como um sinal de apoio incondicional – até porque a pergunta não é igual à situação que o eleitor encontrará na eleição, quando ele fará sua opção por um indivíduo, tanto ou mais do que por um partido. Prova disso é que, entre eleitores que declaram que votariam com certeza no PSL,  1 em cada 5 diz a mesma coisa sobre o PT – e 1 em cada 10 eleitores do PT diz o mesmo sobre o PSL. Parte crescente dos eleitores prefere ser uma metamorfose ambulante a ter aquela velha opinião formada sobre tudo.

Nem todo o eleitorado é fã de Raul Seixas e se metamorfoseia assim tão facilmente. Quase 2 em cada 3 eleitores que votariam com certeza no PT não votariam de jeito nenhum no PSL. Do mesmo modo, 6 em cada 10 eleitores convictos do PSL rejeitam totalmente o PT. O grupo de eleitores que têm certeza de seu voto no PT ou no PSL e rejeitam com veemência votar no partido rival é um terço do eleitorado. É grande, mas é menor do que a fatia do eleitorado que diz que não votaria de jeito nenhum nem no PT nem no PSL: 39%. Esse é o espaço para a terceira via da esquerda ou do centro ou da centro-direita. Para se tornar uma força política e eleitoral, entretanto, falta-lhe um catalisador como Lula ou Bolsonaro.

Voltando à perdição do PSL, a maior prova de que o partido alugado pelo clã Bolsonaro junto a Bivar não emplacou e dificilmente emplacará como porta-bandeira do bolsonarismo é que a parcela de eleitores que aprovam o governo e votariam com certeza no PSL (26%) equivale à parcela dos que aprovam o governo mas não votariam no PSL de jeito nenhum (27%).

Já o PT mantém, se não a hegemonia da oposição, a simpatia da maioria dos oposicionistas: 42% dos que desaprovam a gestão Bolsonaro votariam num candidato petista com certeza, e outros 28% poderiam votar. Os antibolsonaristas que rejeitam também o PT são 28%.

Nessa história não cabe moral, talvez uma metáfora. Bolsonaro está de saída do PSL (por ora). É o inquilino que não conseguiu tomar a posse do proprietário e, como vingança, vandalizou o imóvel. Não é a primeira instituição que o presidente desvaloriza. Improvável que seja a última.

JOSÉ ROBERTO DE TOLEDO (siga @zerotoledo no Twitter)

Editor-executivo da piauí (site), foi repórter e colunista de política na Folha e no Estado de S. Paulo e presidente da Abraji

Compartilhe esta notícia:
Henrique Barbosa