1 out 2019

Presidente do Incra e diretores do órgão devem ser demitidos por Bolsonaro.

Presidente se reuniu nesta segunda-feira com ministra da Agricultura

Adriana Mendes e Naira Trindade

O presidente do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), João Carlos de Jesus Corrêa Foto: Elza Fiúza / Agência Brasil

O presidente do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), João Carlos de Jesus Corrêa Foto: Elza Fiúza / Agência Brasil

BRASÍLIA — O presidente do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) , João Carlos de Jesus Corrêa, deve ser demitido, assim como os outros cinco diretores do órgão. A decisão foi tomada nesta segunda-feira durante reunião entre o presidente Jair Bolsonaro e a ministra da Agricultura, Tereza Cristina . Côrrea, que é general de divisão do Exército, está no cargo desde fevereiro.

Também participaram da reunião com Bolsonaro o secretário especial de Assuntos Fundiários do ministério, Luiz Antônio Nabhan Garcia e os ministros da Economia (Paulo Guedes), da Secretaria-Geral (Jorge Oliveira) e da Controladoria-Geral da União (Wagner Rosário). O porta-voz da Presidência, Otávio Rêgo Barros, disse que o Incra foi discutido na reunião, mas não confirmou a demissão. A exoneração também não é confirmada pelo ministério.

— No despacho hoje da ministra Tereza Cristina com o presidente, dentre outros assuntos, foram tratadas também questões referentes ao Incra. Mas eu reafirmo que as decisões de montagem, de seleção, de exoneração de membros das equipes é de responsabilidade dos ministérios — afirmou Rêgo Barros.

Os outros diretores são Marco Antônio dos Santos (Gestão Estratégica), Humberto César Mota Maciel (Estrutura Fundiária), Reginaldo Ramos Machado (Obtenção de Terras e Implantação de Projetos de Assentamento), Dougmar Nascimento das Mercês (Diretor de Desenvolvimento de Projetos de Assentamento) e Eva Maria de Souza Sardinha (Diretor de Gestão Administrativa).

Nabhan levou sua insatisfação com Jesus Corrêa a Bolsonaro há cerca de duas semanas. Relatou ao presidente que a pressão estava grande e que a convivência entre os dois estava ficando insustentável. Na conversa, Bolsonaro pediu para Nabhan esperar e segurar Jesus Corrêa no cargo.

A ministra Tereza Cristina (Agricultura) também tentou apaziguar a situação nas últimas semanas. Na reunião ontem, porém, Bolsonaro deu aval para a demissão. Jesus Corrêa era indicado do general Carlos Alberto dos Santos Cruz, que foi demitido da Secretaria Geral da Presidência da República em junho.

A ideia é escolher um funcionário de carreira para o comando do Incra. O novo comandante entrará com a pressão de acelerar a agenda do instituto.

Compartilhe esta notícia:
Reinhard Allan Santos