28 ago 2019

Inspirados na ‘Greve pelo Clima’, jovens de BH alertam população e poder público para crise climática.

Eduardo é ativista ambiental, e cobra não só do poder público, mas também de toda a sociedade para que se posicionem em relação às políticas socioambientais e climáticas. Ele comenta sobre as dificuldades de inserir o movimento no cotidiano de outros jovens mineiros.

“A gente não consegue chegar na quantidade de pessoas que a gente gostaria. Conscientizar os governantes e a população é uma tarefa difícil”, concluiu o ativista.

Mais de 20 cidades participam do Fridays for Future — Foto: Marcio Isensee e Sá

Mais de 20 cidades participam do Fridays for Future — Foto: Marcio Isensee e Sá

Já são mais de 20 cidades brasileiras participantes. Os jovens carregam cartazes e conversam com as pessoas nas ruas para explicar a importância da luta contra a mudança do clima para que as futuras gerações não sofram com os efeitos desse processo.

Greve pelo clima

Greta Thunberg faltava às aulas toda sexta-feira para protestar contra a postura de líderes políticos e empresariais em relação às mudanças climáticas na Suécia. Conforme foi ganhando visibilidade, ela também denunciou o descaso com as questões socioambientais em outras partes do mundo.

Atualmente, a Greve pelo Clima está presente em mais de 100 países e representa um novo momento na mobilização global por justiça climática, com ações espalhadas por cidades em todos os continentes, organizadas e lideradas por crianças e jovens em suas comunidades.

Contra as queimadas na Amazônia

No último fim de semana, ativistas fizeram manifestações em prol da Amazônia, na Praça da Liberdade e na Praça do Papa. Eles carregaram faixas e cartazes em defesa da floresta e com críticas ao presidente Jair Bolsonaro (PSL) e ao Ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles.

Jovens preparam cartazes de papelão em defesa da floresta e com críticas ao presidente Jair Bolsonaro. — Foto: Rafael Castro

Jovens preparam cartazes de papelão em defesa da floresta e com críticas ao presidente Jair Bolsonaro. — Foto: Rafael Castro

O Fantástico do último domingo (25) exibiu uma reportagem especial mostrando como está a situação na região, alvo de polêmica e preocupação internacional após o aumento no número de queimadas e no desmatamento. Os repórteres flagraram queimadas e o transporte de madeira ilegal em plena área de proteção ambiental.

Os efeitos das queimadas chegaram em outras cidades. Em São Paulo, de repente, o dia virou noite. As nuvens, pretas e densas, eram de assustar. No dia seguinte, a água da chuva recolhida por moradores era escura e tinha cheiro de queimado. Foi encontrado um poluente característico de queimadas.

Em Belo Horizonte e na Região Metropolitana, uma massa de ar cinzenta também chamou a atenção dos moradores. O fenômeno foi causado pela combinação de uma frente fria, poluição e fumaça vindos de queimadas no Norte e no Cerrado do Brasil.

Jovens ativistas manifestam por melhoria em políticas climáticas  — Foto: Rafael Castro

Jovens ativistas manifestam por melhoria em políticas climáticas — Foto: Rafael Castro

A Agência Espacial Americana captou aumento nos focos de queimadas no Norte e no Centro-Oeste do Brasil. O corredor de fumaça que chegou à região Sudeste. A Amazônia enfrenta a pior onda de incêndios em sete anos.

Eduardo Gutseit, que ajudou a trazer o Fridays for Future para BH, comenta sobre o posicionamento do Ministério do Meio Ambiente e do Governo Federal sobre os últimos acontecimentos na Amazônia.

“Não concordo com a postura. O nosso intuito é acabar com essa questão. O que nós jovens estamos fazendo é garantindo o nosso futuro. Tenho interesse de estar vivo em 2050”.

Greve mundial em setembro

Em sua coluna sobre sustentabilidade e debate sobre temas ligados a economia, meio ambiente e sociedade, a jornalista Amelia Gonzalez comenta sobre um farto material de convocação para a greve mundial por justiça climática, que acontece entre os dias 20 e 27 de setembro.

 Fridays for Future no centro do Rio de Janeiro — Foto: Marcio Isensee e Sá

Fridays for Future no centro do Rio de Janeiro — Foto: Marcio Isensee e Sá

Também inspirado na atitude da estudante sueca Greta Thunberg, a articulação está sendo feita por organizações não governamentais. Em Belo Horizonte, três atividades estão agendadas para reforçar a importância de políticas climáticas.

Entre elas, está uma feira de agroecologia e agricultura familiar, shows de bandas mineiras e, no último dia de greve, na sexta-feira 27 de setembro, os ativistas vão se reunir com cartazes na Praça da Liberdade e fazer uma passeata até a Praça da Assembleia.

Compartilhe esta notícia:
Reinhard Allan Santos