13 jun 2019

Chapa Muda UFPE elege novo reitor.

Escolha do novo reitor da UFPE, porém, é uma prerrogativa de Jair Bolsonaro, que pode vetar o nome mais votado

Alfredo (D) venceu o pleito no segundo turno / Foto: Ascom/UFPE

Alfredo (D) venceu o pleito no segundo turno. Foto: Ascom/UFPE

JC Online

A chapa Muda UFPE – formada pelos professores Alfredo Macedo Gomes, diretor do Centro de Educação e candidato a reitor, e Moacyr Cunha de Araújo Filho (do Departamento de Oceanografia e candidato a vice-reitor) – venceu o segundo turno da eleição para a Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), realizada nesta quarta-feira (12).

No primeiro turno, eles conquistaram 21,09% dos votos. Disputaram o segundo com os professores Jeronymo José Libonati (candidato a reitor) e José Luiz de Lima Filho (candidato a vice-reitor), que tiveram 18,35% dos votos no primeiro turno. Esse resultado obedeceu ao peso percentual de votos de 70% para docentes, 15% para técnicos administrativos e 15% para discentes, considerando o número total de votantes.

Segundo o presidente da comissão eleitoral, Ulisses Pinheiro, o relatório final da consulta acadêmica será enviado ao Conselho Universitário até 2 de julho. Caberá ao conselho elaborar uma lista com três nomes e encaminhar ao Ministério da Educação (MEC). A escolha do próximo reitor da UFPE é uma prerrogativa do presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL). Ele pode, inclusive, não nomear o mais votado pela comunidade universitária.

A consulta, na noite desta quarta-feira (12), transcorreu sem problemas. Até 21h, o sistema tinha registrado 11.830 votos. No primeiro turno, em 29 de maio, com cinco chapas na disputa, houve a participação de 12.852 eleitores. Estavam aptas a votar 43.355 pessoas, das quais 2.526 docentes, 3.898 técnicos administrativos e 36.931 discentes (graduação presencial e a distância, pós-graduação stricto sensu e programas de residência).

O mandato do atual reitor, Anísio Brasileiro, e da vice, Florisbela Campos, acaba em outubro. Os novos ocupantes terão mandato de quatro anos. Comandarão a décima maior instituição do País até 2023.

Compartilhe esta notícia:
Reinhard Allan Santos