21 maio 2019

Homem mata ex e mais três em ataque em igreja evangélica em Paracatu.

Ex-militar da aeronáutica foi até a casa onde a ex-companheira estava e a esfaqueou; em seguida, seguiu para a igreja, onde desferiu os disparos

Por LAURA MARIA, NATÁLIA OLIVEIRA E PEDRO FERREIRA

WhatsApp Image 2019-05-21 at 21.45.40.jpeg
Foto: Whatsapp/divulgação

Quatro pessoas morreram vítimas de um ataque ocorrido na noite desta terça-feira (21), em Paracatu, na região Noroeste do Estado, distante a cerca de 500 quilômetros de Belo Horizonte. De acordo com a Polícia Militar, suspeito do crime é um ex-militar das Forças Armadas.

Ainda não há informações oficiais sobre o motivo do ataque, mas  moradores da cidade relatam que o suspeito e o pastor tinham se desentendido dias antes do crime.

Segundo o major da PM Flávio Santiago, o homem foi até a casa da mãe dele, onde estavam a mãe, a irmã e sua ex-namorada. Então, desferiu um golpe de faca no pescoço da ex-companheira, que morreu no local.

Em seguida, ele foi até uma igreja batista da cidade, onde ocorria uma reunião fechada com aproximadamente 20 pessoas. De posse de uma garrucha calibre 36, o autor do ataque atirou na cabeça de um senhor, de nome Antônio. Ele era pai do pastor da igreja.

Depois disso, o ex-militar recarregou a arma e atirou novamente, desta vez, na cabeça de uma senhora.

A PM chegou ao local. Ao perceber a presença dos militares, ele fez uma mulher de refém. A corporação tentou negociar, mas ele disparou mais uma vez e acertou na cabeça da mulher. Com isso, as três pessoas morreram no templo.

Os militares revidaram e atiraram no homem, que ficou ferido e passa por cirurgia na noite desta terça-feira (21). “Se a PM não chegasse, o ataque poderia ter sido muito pior”, relatou o major.

Segundo a PM, o pastor fugiu do local. A reportagem entrou em contato com o prefeito da cidade, mas as ligações ainda não foram atendidas.

Feridos

Segundo o Hospital Municipal de Paracatu, deram entrada no local cinco pessoas, sendo o próprio atirador e as pessoas feridas por ele. As mortes das vítimas foram constatadas lá.

O autor teve um ferimento na orelha e outro na artéria e que não corre risco de morrer.

Desentendimento no WhatsApp

Moradores da cidade relatam que o atirador tinha dito ofensas para fiéis em um grupo de Whatsapp, e o pastor não gostou. Os fiéis estavam com medo e, por isso, o culto era fechado.

Cidade assustada

“A cidade está muito assustada. Ainda mais que mataram gente dentro da igreja. Seu Antônio era amigo da minha mãe”, lamentou a atendente de hospital, Jainni Oliveira, 42, que era amiga do homem que morreu na igreja.

Fonte: O Tempo

Compartilhe esta notícia:
Henrique Barbosa