19 maio 2019

‘Não haverá nova proposta da Previdência’, diz líder do governo na Câmara.

Major Vitor Hugo: “Um texto como este é complexo” (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

Major Vitor Hugo garantiu ‘diálogo’ entre parlamentares para que o texto encaminhado pelo Executivo seja mantido

 

O líder do Governo na Câmara dos Deputados, Major Vitor Hugo (PSL-GO), disse neste domingo, 19, que, após conversar com o relator da reforma da Previdência na Comissão Especial, Samuel Moreira (PSDB-MG), chegou à conclusão de que não haverá um novo texto da reforma da Previdência. No último sábado 18, o deputado havia dito que poderia apoiar um ‘texto alternativo’, elaborado pelos parlamentares, se estivesse nos moldes do que foi apresentado pelo Executivo.

“Eu conversei com o relator (da Previdência) e ele explicou que não haverá uma nova proposta. Um texto como este é complexo e é natural que se apresente um substitutivo já que qualquer pequena modificação pode obrigar a adaptação de toda proposta. Vamos dialogar para que se mantenha o texto encaminhado pelo governo, a sua essência”, afirmou Vitor Hugo, ao chegar no Palácio da Alvorada para se reunir com o presidente Jair Bolsonaro.

Neste domingo, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), recebe na residência oficial o relator da reforma da Previdência Samuel Moreira (PSDB-SP), e o secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, para tratar dos ajustes no texto que vai alterar as regras da aposentadoria no país. Na segunda-feira, 20, está prevista outra reunião do relator da proposta com a equipe econômica do governo, mas, desta vez, no Ministério da Economia, com a presença do ministro Paulo Guedes e de todos os secretários da pasta.

Ao jornal O Estado de São Paulo, na sexta-feira, o presidente da Comissão Especial que analisa a reforma na Câmara, deputado Marcelo Ramos (PR-AM), afirmou que um grupo de deputados decidiu que o projeto de reforma da Previdência terá a marca do Parlamento, e não a do Executivo. Assim, a ideia seria apresentar um texto alternativo ao enviado pelo governo, de forma a garantir que o projeto tenha o DNA da Câmara, sem mudar os prazos de tramitação, no entanto. O líder do governo minimizou as alterações.

No sábado, o secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, disse ao Estado que está em constante diálogo com o relator Samuel Moreira e com Rodrigo Maia para apoiá-los na elaboração das mudanças no projeto enviado pelo Executivo. As mudanças na concessão da aposentadoria rural e do Benefício de Prestação Continuada (BPC) devem ser excluídas do projeto.

Compartilhe esta notícia:
Henrique Barbosa