11 maio 2019

Pacientes com transplante correm risco de perder órgãos por falta de medicamento.

Sistema de distribuição de remédios gerido pelo Ministério da Saúde vive crise de desabastecimento

Patrik Camporez

Andrea Carla sente dores e teme perder o rim que recebeu há seis anos, por estar há três meses sem conseguir o remédio de que precisa Foto: Leo Caldas

Andrea Carla sente dores e teme perder o rim que recebeu há seis anos, por estar há três meses sem conseguir o remédio de que precisa Foto: Leo Caldas

SÃO PAULO — Jaqueline Vilela de Almeida, de 36 anos, e Andrea Carla da Silva, de 41, moram na periferia do Recife e sofremo mesmo drama: não conseguem os medicamentos para tratar seus rins transplantados e temem ter que voltar, nos próximos meses, para a máquina de hemodiálise .

Documentos obtidos pelo GLOBO junto a secretarias estaduais de saúde mostram que o sistema federal de distribuição de remédios passa por uma aguda crise abastecimento, prejudicando a distribuição de remédios pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Os transplantados são as principais vítimas deste quadro crítico.

Uma ação do Ministério Público Federal revela que 30 mil enxertos de coração, fígado e rim estão em risco apenas no estado de São Paulo, por causa do desabastecimento.

Compartilhe esta notícia:
Reinhard Allan Santos