29 abr 2019

COMPRA DE REMÉDIOS PELO MINISTÉRIO DA SAÚDE É POUCO COMPETITIVA, DIZ TCU.

O período avaliado foi de 2014 a 2017 e abrangeu contratos que somavam R$ 6,8 bilhões

GUILHERME AMADO

Medicamentos distribuidos no Instituto Emílio Ribas Foto: Marcos Alves / Agência O Globo

Medicamentos distribuídos no Instituto Emílio Ribas Foto: Marcos Alves / Agência O Globo

Uma auditoria do TCU apontou que os editais para a compra de medicamentos pelo Ministério da Saúde são pouco competitivos. O período avaliado foi de 2014 a 2017 e abrangeu contratos que somavam R$ 6,8 bilhões.

Segundo os auditores, o uso de pregão presencial em vez de eletrônico e a falta de cotação parcial ou total do licitado nos editais impossibilitaram a participação de empresas de pequeno porte na concorrência. Com isso, as chances de haver propostas mais vantajosas foram reduzidas.

O Ministério da Saúde informou que obedece aos trâmites burocráticos, seguindo a lei de licitações.

O órgão também afirmou que promove mudanças no processo de compra de medicamentos, como a publicação de chamamento público via Diário Oficial da União, o que permite a participação de empresas de todo o mundo.

De acordo com o ministério, a pasta já economizou R$ 300 milhões neste ano na compra de medicamentos por meio de licitações, revisões de contratos e ampliação de concorrência.

Compartilhe esta notícia:
Reinhard Allan Santos