31 dez 2018

Witzel diz que crime organizado do Rio se comporta como terrorista.

Crédito: Reprodução/Facebook

Agência Brasil

O governador eleito do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, disse hoje (30) que o crime organizado que age no estado está “muito próximo do terrorismo” e que, por isso, pretende adotar técnicas israelenses na área de segurança.

“A forma pela qual os traficantes estão trabalhando para proteger a droga é com atos terroristas, com bomba, com pânico à população e uma afronta às instituições. Então a gente precisa trabalhar e enfrentá-los como eles estão se comportando, como terroristas”, disse Witzel.

Witzel participou de um encontro com o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, no Hotel Hilton, na zona sul do Rio de Janeiro, no qual Netanyahu recebeu a comunidade judaica da cidade. O futuro governador disse que pretende assinar um acordo de cooperação com Israel para treinamento de policiais.

“Ou a gente manda pra lá ou o pessoal de lá vem pra cá. Eu acho muito importante um grupo de policiais nossos ir a Israel, para conhecer o sistema funcionando na prática, e vir para o Brasil e ser difusores das ideias e das técnicas que lá eles aprenderam. Um curso rápido, mas que já vai ser muito importante para a gente aprimorar o trabalho de combate ao crime organizado, que hoje está muito próximo do terrorismo”.

Witzel disse também que pretende adotar tecnologia de reconhecimento facial, para impedir “pessoas envolvidas no crime organizado de circular livremente pela cidade e pelo estado”. “Agora em janeiro eu já pretendo fazer um convênio com as empresas que têm sistema de vigilância, como supermercados e shoppings, todos os lugares que têm câmera, com possibilidade de reconhecimento facial. Nós vamos disponibilizar o álbum, com mandado de prisão em aberto, e uma vez identificadas essas pessoas, nós vamos prender. Isso já vai ser um ganho muito grande de efetividade, porque o crime organizado não vai mais poder circular facilmente pelas ruas e isso vai facilitar o trabalho da polícia”.

Primeiro decreto

O governador eleito disse que o primeiro decreto a ser assinado por ele será o da reorganização da estrutura do estado, com foco na economia de recursos. “Apesar de termos mais secretarias do que já existia, é uma estrutura estratégica. Na verdade, ao extinguir secretarias você não corta custos, o que corta custo é reduzir o número de cargos. A quantidade de cargos em comissão, ela é um percentual muito pequeno em relação à folha de pagamento, mas será cortado. O grande ajuste que nós vamos fazer será nos contratos. [Os] que podem estar superfaturados, serão auditados”.

Witzel conversou com a imprensa na saída do evento. Em sua fala ao primeiro-ministro, Witzel disse que está “torcendo” para que o presidente eleito, Jair Bolsonaro, faça um acordo de cooperação com Israel “do tipo guarda-chuva”, para que os estados possam aderir de forma mais fácil.

“Eu quero ser o primeiro estado a participar do acordo, para poder estarmos junto ao Instituto Weizmann [de pesquisa em ciências], a estarmos junto à polícia, ao exército israelense e trocarmos experiência, que são experiências comum. Aqui temos um grave problema de violência, do crime organizado, que está cada vez mais próxima de atos terroristas. E a nossa polícia precisa aprender a lidar com esse tipo de organização criminosa”. Segundo o governador, após resolver o problema da criminalidade, poderá investir no turismo e “trazer de volta a esperança para uma terra de esperança”.

Pela manhã, Witzel acompanhou Netanyahu a uma visita ao Pão de Açúcar. Também foram ao passeio as esposas das autoridades, Helena Wiztel e Sara Netanyahu.

*Colaborou Fabiana Sampaio, repórter do Radiojornalismo EBC

Compartilhe esta notícia:
Reinhard Allan Santos