18 out 2018

Punheta tem hora.

 

Crédito da foto: PinterestX DE SEXO
A cama é de todos
X de Sexo
Por Dolores

Entre as minhas buscas favoritas na internet, os vídeos que mostram punhetas bem-sucedidas, daquelas que chegam até o final glorioso com o gozo jorrando feito fonte de shopping, estão sem dúvida entre as tags mais frequentes. Considero um espetáculo do universo a evolução do tesão até a conclusão final.

Gosto, sobretudo, de assistir focando não só na masturbação em si, o vai e vem da mão molhando, mas principalmente de ver no rosto do homem a expressão de quase sofrimento que a proximidade do orgasmo sempre traz – poucas coisas no mundo me deixam mais excitada do que alguém excitado também.

Só que, embora minha relação com a punheta seja dessa natureza, beirando a devoção, há algo no convívio masculino com ela que me incomoda profundamente. São aqueles caras que, quando está tudo lindo, todo mundo conectado na cama, correndo inclusive o risco de uma gozada em conjunto, ele, pelos motivos que forem, sai de dentro para finalizar a transa com a própria mão.

E vale dizer que está tudo bem quando isso acontece de vez em quando, variando o repertório, mas que, quando vira uma rotina, aí, sim, se transforma em um bode considerável. Tive recentemente alguns parceiros que, de dez trepadas, nove eles terminavam com uma punheta em cima de mim.

Óbvio que compreendo o valor que o gozo nos peitos, bunda, coxas e até cara da gente pode ter, e embarco fácil na proposta, mas também consigo ver tem muito homem que só faz isso porque está tão viciado em chegar ao orgasmo sozinho na punheta que, mesmo quando está ali com uma mulher legal e envolvida no rolê, prefere sacar a arma para fora e atirar por conta própria.

Não sejam esse homem, rapazes, por favor. Se for mesmo este o caso, do hábito do prazer com a própria mão falando mais alto que gozar dentro da gente, treinem até aprender a também satisfazer as minas na cama. Sim, porque, por mais que a gente ame a masturbação masculina e assista em looping na internet, na vida real quem leva mesmo o Oscar é aquele que dá a deixa pra gente curtir tanto quanto vocês curtem.

Compartilhe esta notícia:
Henrique Barbosa