7 ago 2018

Poste, pra quê te quero?.

Entrevista com o sociólogo e cientista político Antônio Lavareda
Por Rosângela Bittar –  Valor Econômico

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva transferirá votos para o poste que vier a indicar para concorrer em seu lugar. Porém, não será uma transferência integral das intenções nele declaradas. A quantidade que passará adiante deverá ser o suficiente para empurrar o candidato do PT ao segundo turno. Mas isso não se dará por inércia. O nome indicado terá que trabalhar. O temor é que se reduza mais a transferência porque os dois mais cotados, Fernando Haddad, ex-prefeito de São Paulo, e Jaques Wagner, ex-governador da Bahia, não são muito de suar a camisa.

Mas para que se movam é preciso que Lula solte a rédea curta em que mantém o PT. Só será possível iniciar o processo de transferência de votos se Lula se afastar da peleja. Até agora ele deu de ombros a qualquer argumentação que conduza o raciocínio a esta óbvia conclusão: Lula tem que sair para outro entrar, e ele ainda não quer sair.

Há três meses, políticos próximos a Lula já informavam, aqui, que ele só abandonaria a disputa muito perto do prazo final para substituição do candidato, por uma razão simples: quanto mais próximo da eleição conseguir levar sua candidatura “perseguida”, mais fresquinha ficará sua imagem para os cada vez mais revoltados eleitores e mais fácil será aceitar sua recomendação de voto no substituto.

A inelegibilidade de Lula deve ser declarada em agosto se o Tribunal Eleitoral correr com os prazos. O pedido de registro da candidatura será feito até o dia 15 e, depois, o TSE tem prazo até 17 de setembro para analisá-lo. Numa distância de apenas três semanas até a votação em primeiro turno. Será pouco tempo para erguer o poste, mas o ex-presidente estica a corda ao máximo. Será pouco tempo também para o eleitor refletir sobre o assunto, perceber que não é Lula o candidato, organizar sua cabeça. Essas situações influenciam a transferência, explicada em uma equação pelo analista de pesquisa e sociólogo Antonio Lavareda.

Há 5 números colocados à reflexão de quem se interessa pelo fenômeno. São dados colhidos em pesquisas Datafolha e XP Investimento.O percentual dos eleitores que dizem que votariam com certeza no candidato do Lula é 30%. Esse é o poste sem nome. Há o poste que se apresenta sozinho, sem o padrinho ao lado, com nome mencionado em pesquisa por ele mesmo. É o caso de Fernando Haddad que, sem atrelar-se a ninguém, com 2%. Mas se for dado nome ao poste e dito que ele é o candidato que tem apoio do Lula, caso do Haddad, ele já sobe para 13%.

Ou seja, o indicado por Lula, claramente seu herdeiro, tem um potencial grande de crescimento com base na transferência de voto, mas, para que isso aconteça, é preciso circular muita informação para o eleitor. Papel que pode ser exercido pela propaganda eleitoral gratuita na televisão e no rádio.

A informação básica a ser passada ao eleitorado é que aquele determinado candidato é o candidato de Lula. E isso tem que ser feito com alguma velocidade, pois a campanha tem prazo curto.

No caso do poste com nome, somam-se a recomendação do Lula, sua transferência de voto, com a percepção que os eleitores passarão a ter do próprio candidato. Será preciso trabalhar para que a mistura das duas condições resulte em aumento da votação do indicado.

Assim, uma coisa é a medição da transferência de Lula para um poste sem nome (30%), outra é a não transferência quando o candidato se apresenta sozinho (2%) e outra ainda é a transferência para um poste com nome, que leva em conta a percepção do eleitor sobre aquele político objeto do apoio de Lula (13%).

Entre os 30 e os 13 há toda a contingência da campanha e a percepção que os eleitores terão desse poste apoiado por Lula. Seu perfil, que tipo de político ele é, qual o seu discurso, como se identifica com Lula, qual sua proximidade anterior. Essa questão, a contingência, é o que torna um candidato melhor que o outro na disputa pela indicação.

Por exemplo, o melhor poste de Lula é Jaques Wagner ou Fernando Haddad?

Wagner é menos empolado, é do Nordeste, o que facilita a adesão de maior contingente de eleitores da região que mais apoia Lula, é mais acessível, dá a impressão de ser melhor figura para recepcionar os apoiadores do ex-presidente, sobretudo de áreas mais pobres dos colégios que mais seguem o presidente da honra do PT. Mas Fernando Haddad, também, pode ser um bom candidato a poste exatamente pelo contraste. Por sua inserção em São Paulo, por exemplo, por cair mais ao gosto do mercado, por contar com a universidade.

Em contraponto ao Nordeste de Jaques Wagner, um nome como Fernando Haddad, representante da alta classe média, poderia ser o melhor candidato, dando ao PT um atrativo a mais para a disputa. Para o primeiro turno, sem dúvida, o melhor seria Wagner; para o segundo, Haddad. Mas não é possível mudar o candidato entre o primeiro e o segundo turno, o PT terá que fazer a opção. Até mesmo por um terceiro nome que Lula esteja cevando reservadamente.

Em nenhuma hipótese Lula transferirá os 30% que tem, como seria ideal, ninguém consegue essa proeza, nem mesmo Lula.

Existe, ainda, um quarto número naquela sequência criada por Lavareda na metáfora da transferência de voto: os 19%. Esse é o índice de preferência da população pelo PT, de acordo ainda com a Datafolha. E um quinto: O PT teria que considerar, numa perspectiva otimista, quase ideal, que seu candidato pode chegar a 17%, que foi o que Lula teve no primeiro turno de 1989 e passou ao segundo turno. Este ano, pode ir ao segundo turno ou não com 17%, o quinto índice que importa, a linha de corte que a campanha pulverizada em várias candidaturas criará para a passagem ao segundo turno.

Para o analista, é preciso combinar todos os elementos: 30% dizem que votariam no candidato do Lula sem saber o nome, 19% dizem que o PT é o partido de preferência e 13% dizem que votariam no Fernando Haddad apoiado pelo Lula. É necessário combinar a trajetória desses números com a campanha que associe bem o discurso e a imagem do candidato a poste.

 

Compartilhe esta notícia:
Henrique Barbosa