4 jul 2015

Impeachment ou renúncia de Dilma.

untitledeb
Todas as condições estão criadas para a renúncia ou o Impeachment da presidente Dilma Rousseff. Ela é a chefe do Estado e está fora do controle emocional. Desprezou o oficial e  ao falar de improviso em cerimônias oficiais só fazem desgastar o Brasil. Não é à toa que o ex-presidente Lula já anda rondando o vice-presidente e peemedebista Michel Temer. Existe até uma reunião agendada para esta semana. Na semana passada, Lula, quem diria, foi tomar abenção e outro cacique do e atual presidente do Senado Renan Calheiros. Coisas da nova/velhíssima política.
De outro lado, surgem pareceres que de acordo com o ex-presidente do STF, ministro Joaquim Barbosa, ” A Constituição não a autoriza a investir politicamente contra as leis vigentes. Colaboração ou delação premiada é um Instituto penal previsto em Lei no Brasil “, explicou o magistrado.
E, tudo isso foi dito por Dilma na presença do presidente dos Estados Unidos da América, Barack Obama, quando tentou desqualificar e delação do dono de empreiteira UTC Ricardo Pessoa, dizendo que desrespeitava delator.
Em outra declaração feita a revista semanal Istoé que já está nas bancas, um dos seus mais fiéis escudeiros, José Sarney  – craque nos meandros palacianos – já admite que a possibilidade de queda da presidente Dilma é cada vez mais real.
Sozinha e sem uma assessoria que a conduza para um patamar que lhe dê as mínimas condições para governar e, pelo menos, tomar atitudes que ganhem o apoio da população e que mudem os rumos da economia e política do País, a ex-guerrilheira está perdendo as condições de manter-se em pé.
Agosto é um mês de muitos ventos.
 É isso!
Compartilhe esta notícia:
Henrique Barbosa