4 mar 2015

Dólar bate em R$ 3, maior valor desde agosto de 2004.

O dólar comercial subiu 2,46% e rompeu a casa de R$ 3 nesta quarta (4) devido à crescente instabilidade política no país, que ameaça a aprovação no Congresso Nacional do corte de gastos do governo. É o maior valor desde 16 de agosto de 2004.

Além das dificuldades do governo no Congresso, a moeda americana sobe com a perspectiva de redução nas intervenções do Banco Central no mercado câmbio. Desde segunda, o BC tem feito leilões com um volume menor de hedge [proteção] cambial do que o habitual, o que fez os analistas acreditarem que serão renovados apenas 80% do total de US$ 9,96 em títulos que pagam a variação cambial em reais (o swap cambial tradicional).

Na noite desta terça (3), o presidente do Congresso, Renan Calheiros, que foi citado na Operação Lava Jato, devolveu ao Palácio do Planalto a medida provisória com uma das principais medidas do ajuste fiscal proposto pela presidente Dilma Rousseff.

A retaliação amplia as dificuldades que a presidente tem encontrado para obter apoio no Congresso para as medidas de ajuste, que a sua equipe econômica considera essenciais para equilibrar as finanças do governo e recuperar a capacidade do país de crescer.

O dólar à vista, referência do mercado financeiro, também bateu R$ 3, mas logo depois recuou e operava em R$ 2,995 (3,15% de alta), também o maior valor desde 16 de agosto de 2004.

“A questão política interfere bastante na percepção dos investidores em relação à capacidade de o país levar adiante o ajuste fiscal necessário para manter o grau de investimento”, afirma Luciano Rostagno, estrategista-chefe do Banco Mizuho do Brasil.

Para ele, a forte valorização da moeda americana em relação ao real ocorre da percepção do mercado de que o governo está com uma base frágil para levar adiante o ajuste fiscal necessário. “A perspectiva é que o cenário econômico se deteriore ainda mais ao longo do primeiro semestre, o que deve tornar mais difícil a implementação de novas medidas de austeridade fiscal necessárias para manter o grau de investimento”, ressalta.

Compartilhe esta notícia:
Henrique Barbosa